Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

rew » play » - 8 pitch adj. (os polícias)

por josé simões, em 04.11.08

 

“O que se passa na Primavera de Praga é que o Dubcek, presidente do comité central do partido checo, encabeça uma revolta contra o poder estalinista e mostra uma alternativa. É uma enorme esperança para nós, que éramos jovens e acreditávamos no comunismo. Nesse ano, publico com o meu primo um livro com as propostas de Dubcek. Tê-lo feito limpa-me o nome. Agora, todos dizem que eram antiestalinistas. Eu era mesmo.
 
Isabel do Carmo
 
É um extracto da entrevista a Isabel do Carmo e a Carlos Antunes saída na Pública do passado domingo e que, ao contrario de outras, foi olímpicamente ignorada pelos policias da memória de plantão à blogocoisa.
 
Hipóteses para o facto da entrevista ter passado pelos intervalos da chuva:
 
a)      Nunca aceitaram Estaline, mesmo com alguma crítica
b)      Não comem caviar
c)      A China nunca foi socialista, mesmo antes do Deng Xiaoping
d)      O Benfica jogava em Guimarães
e)      Não pertencem ao jet set-socialite-gauche-chic
f)        Foram militantes do PCP
g)      Todas as alíneas anteriores são válidas.
 
(Foto de Mário Sousa)
 

 

Quem é amigo, quem é?

por josé simões, em 04.11.08

 

Uma vez que os problemas no BPN não são consequência da crise financeira, antes vinham detrás, com conhecimento do Banco de Portugal, que preferiu a presunção da inocência ao invés de agir, quer-me parecer que esta nacionalização era desnecessária. Bastava ao Estado assegurar os depósitos; deixar o banco falir; criminalizar os responsáveis. Assim, e olhando para a lista de accionistas e responsáveis que já passaram pelo banco e que por lá continuam, cheira-me a favor entre amigos do Bloco Central. Os Pê Pê Dês/ Pê Ésse Dês ficam a dever uma aos amigos Pê Ésses. Ao contribuinte, que é quem vai suportar todas estas diabruras ninguém fica a dever nada. Daqui por uns anos, com os passivos e activos limpos, haverá nova privatização. Tudo está bem quando acaba em bem.

 

E no entretanto, Vítor Constâncio lá vai fazendo pela vidinha, ganhando o ordenado e contando os dias que faltam para a reforma.

 

(Foto fanada no Chicago Tribune)

 

 

 

The Paint For The Planet competition

por josé simões, em 04.11.08

 

Laura Paulina Tercero Araiza, 10 anos - México

 

The Paint for the Planet features a selection of stand-out entries from the United Nations Environment Programme (UNEP) International Children’s Painting Competition

 

 

 

Do desemprego em Cabo-Verde e na Ucrânia (II)

por josé simões, em 03.11.08

 

 

Estranho que a esquerda portuguesa Obamanizada não tenha aprendido absolutamente nada com a estratégia do candidato à Sala Oval: centrar o debate na Economia.

 

Manuela Ferreira Leite abre a boca para dizer meia verdade e toca de embarcar toda a gente a reboque duma estratégia “à lá Bloco”. É (foi?) uma oportunidade única para desmontar as contradições do discurso da líder do PSD: o apoio às empresas e aos empresários, quando pela ganância do lucro são esses mesmos empresários e essas mesmas empresas, encostadas ao Estado, dependentes das Obras Públicas, que pela politica dos baixos salários, boicotam (a criação de) o emprego ao contratarem imigrantes, na grande maioria das vezes ilegais e sem contratos de trabalho assinados, pela metade do preço que teriam de pagar a um trabalhador indígena.

 

Qual Haider, qual Pinto Coelho, qual Diabo que os carregue! Um dia destes, quando forem a caminho do vosso emprego experimentem entrar na primeira obra que vos apareça pela frente e a falar com quem lá trabalha. Português só se for “o engenheiro”, mas esse chega depois das 11 porque é “chefe”.

 

O Haider há-de chegar num futuro mais ou menos próximo, por causa mesmo deste discurso idiota da “Xenofobia”, construído e alimentado pela Esquerda que temos.

 

(Na foto Reconst Engineer and Workers at Tunnel 1911, daqui)

 

Adenda: Curioso que no dia em que Manuela Ferreira Leite profere as declarações, aliás já anteriormente proferidas por Miguel Beleza mas sem o mesmo impacto mediático, um televisão tenha emitido um programa que girava à volta do tema “onde é que estão os trabalhadores que construíram a Expo 98, os estádios do Euro 2004 e as auto-estradas?”, o que inevitavelmente nos levou a “ de onde vieram?”. O repórter era xenófobo. Só pode.

 

Post-Scriptum: este post de Pacheco Pereira

 

 

 

 

 

Como diz a outra: “E Hoje Acordei Assim”

por josé simões, em 03.11.08

 

Militares nas ruas; Banca nacionalizada.

 

 

 

The Paint For The Planet competition

por josé simões, em 03.11.08

 

Gloria Ip Tung, 14 anos – China

 

The Paint for the Planet features a selection of stand-out entries from the United Nations Environment Programme (UNEP) International Children’s Painting Competition

 

 

 

Fim-de-semana

por josé simões, em 02.11.08

 

Este fim-de-semana foi assim.

 

The Blank GenerationRichard Hell & The Voidoids

 

(Vinyl 12”)

 

 

Do desemprego em Cabo-Verde e na Ucrânia

por josé simões, em 02.11.08

 

Manuela Ferreira Leite até tem razão quando diz que «a aposta do Governo nas obras públicas pode ajudar a reduzir o desemprego em Cabo Verde ou na Ucrânia, mas duvida que tenha efeitos no emprego em Portugal». Se vasculharem aí pelos arquivos do blogue podem constatar que já por várias vezes escrevi exactamente o mesmo.

 

Fica é mal na fotografia por dizer só meia verdade.

E o que Manuela Ferreira Leite não diz e devia dizer, é que resolve os problemas em Cabo Verde e na Ucrânia, e já agora também no Brasil e na Moldávia, porque os “empresários” (entre aspas) portugueses que parecem ser o centro das preocupações da líder do PSD, preferem pagar 500 a imigrantes, a maior parte das vezes ilegais, do que pagar 1 000 a trabalhadores portugueses, porque assim têm um milhão de lucro em vez de 500 mil.

 

São os mesmos tais que reclamam do aumento do salário de miséria mínimo. Os tais que fazem com que diariamente centenas, se não milhares, de portugueses cruzem a fronteira para trabalhar na construção-civil em Espanha.

 

 

Do acompanhamento psicológico ao ladrão

por josé simões, em 02.11.08

 

Carlos Santos, de cognome “o diabo de Gaia” ao minuto 19 dum Benfica-Porto entrou em campo e deu um “calduço” no fiscal de linha porque «não tinha gostado que o árbitro não tivesse assinalado alguns foras de jogo» (Expresso, só assinantes). Por sua vez José Ramalho, o árbitro “calduçiado”, está a ter acompanhamento psicológico, porque «na rua, começou a ser gozado e ameaçado de levar mais “calduços”. Sem conseguir aguentar a pressão, tornou-se irritadiço, teve pesadelos e deixou de arbitrar jogos».

 

Um árbitro qualquer, num jogo de futebol qualquer entre duas equipas quaisquer, assinala um fora-de-jogo inexistente com a consequente anulação de um golo legal. Por via disso a equipa deixa de ganhar 3 pontos (era para escrever a equipa é roubada em), e, no fim da época, o campeonato escapasse-lhe por… uma diferença de 3 pontos. A equipa não tem entrada directa na Liga dos Campeões, sujeita-se a uma pré-eliminatória de onde sai eliminada e deixa de ganhar uns milhões de euros. O árbitro continua a fazer a sua vidinha, sai à rua, ri-se a bandeiras despregadas e dorme no sono dos anjos.

 

(Foto de Gianni Berengo Gardin)

 

 

Já a minha avó me dizia: “Jesus Cristo foi o primeiro comunista da História!”

por josé simões, em 02.11.08

 

«Aos olhos da Igreja Católica, Sá Carneiro viveu em pecado com Snu. Paulo Portas, o líder do nosso partido mais conservador, é um solteirão. Haider, o líder da extrema-direita austríaca, era homossexual. Manuela Ferreira Leite, a líder do PSD, está separada. José Sócrates, o primeiro-ministro e líder do moderado PS que recusou o casamento gay, é divorciado.

 

Curiosamente, só os líderes dos dois partidos da extrema-esquerda do nosso arco parlamentar, Jerónimo e Louçã, mantêm casamentos que preenchem os requisitos exigidos pela Igreja e por um presidente que publicitou estar a engolir um sapo quando ratificou a nova Lei do Divórcio. Já chega de hipocrisia, não acham?»

 

Jorge Fiel no Diário de Notícias

 

 

Os Generais nos seus labirintos

por josé simões, em 01.11.08

 

Vamos lá a ver se eu percebi bem.

Se, por exemplo, o meu filho tiver necessidade de colocar um aparelho nos dentes, vou com ele ao dentista, pago uma pipa de massa saída inteirinha da minha carteira e guardo os recebidos para deduzir no IRS.

 

Se, por exemplo, o filho de um militar, de qualquer patente de qualquer ramo das forças armadas, tiver necessidade de colocar um aparelho nos dentes, o pai vai com ele ao dentista que eu e os outros portugueses pagamos uma pipa de massa saída inteirinha dos nossos impostos e não guardamos o recibo para deduzir no IRS.

 

E bico calado não vá haver para aí alguma revolução ou um golpe de Estado ou coisa que o valha.

 

Adenda: ver estes gráficos.

 

 

 

A erva estava marada!

por josé simões, em 01.11.08

 

Estou aqui a ler as edições on-line dos jornais e o puto ao pé de mim a ver o Canal Panda. De carro vai um cão com aspecto de sexagenário, cabelo com algumas entradas apanhado em rabo-de-cavalo e com uma argola na orelha – tem ar de quem gosta do Blowin’ In The Wind e de quem assistiu ao debate Nixon – Kennedy. Ao seu lado vai um coelho branco com aspecto de coelho-comum. Vão a fugir de uns ratos malvados. Às duas por três diz o cão hippie para o coelho: “Já não tinha uma má onda destas desde que fumei uma erva marada no concerto dos Mamas & Papas!”.

 

Eh pá, eu até sei o que isso é e já passei por coisas que nem vos passa pela cabeça, além de ser dj há um porradão de anos e apanhar à noite com cada um pior que o outro que por sua vez ainda é pior que o “Deus Me Acuda!”; mas desculpem que vos pergunte, acham isto normal num desenhos animados para putos mesmo putos?

 

  

Porque hoje é sábado

por josé simões, em 01.11.08

 

 

Ida; 1990

 

Jan Saudek

  

Pág. 9/9