Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Medalha para o 10 e Junho

por josé simões, em 07.06.07

No dia 21 de Dezembro de 2006, a propósito da conferência negacionista de Teerão, escrevi aqui no blogue isto:

 

 

Mau, muito mau.

 

A forma patética, quase a raiar o ridículo em como Nuno Rogeiro tentou ontem, no jornal das 23 h na SIC noticias justificar o injustificável: a sua quase participação na conferência de Teerão.

Que era a favor de um estado palestiniano, assim como de um estado em Israel, e que o holocausto existiu (obrigado pela informação, o povo agradece), desapareceram milhões de pessoas na Europa mortas pelo nazismo e pelo comunismo (outro dos argumentos usados pelos revisionistas…) e pronto, não o deixaram dizer isto e ficou de papeis na mão à porta da conferência!

 

Toda a gente sabia ao que ia e, quais eram os objectivos últimos da conferência, excepto Nuno Rogeiro… Grande anjinho! Ou o Pai Natal existe?

E no dia 4 de Janeiro de 2007, recebi este comentário:

Nuno Rogeiro disse sobre na Quinta-feira, 4 de Janeiro de 2007 às 15:12:

 1. Dispenso-me de comentar os seus comentários, mas queria só dizer que se tratava de afirmar a historicidade do Holocausto...no Irão, e não a milhares de quilómetros, no conforto do seu blog, em Portugal...


 

2. Por outro lado, já se explicou que o objectivo da minha "intervenção" era testar a real liberdade de expressão propalada por um sector do governo iraniano.
Foi, como se viu, uma boa prova dos nove



3. Estando em Teerão a convite do MNE iraniano, senti o dever moral de escrever o que escrevi, e de tentar lê-lo. Mas este dever, claro, não se pega, sobretudo ao dono deste blog.



4. Se a minha intervenção credibilizaria ("ingenuidade" minha) a conferência, porque é que foi...censurada?
Os organizadores não podiam alegar nem "surpresa" (enviei o texto antes de sair de Lisboa), nem "inadequação": aceitaram-no inicialmente, colocaram o meu nome na lista, e na mesa, e só mudaram de ideias sobre a hora...
Pelos vistos acharam que aquilo que tinha para dizer podia chocar os presentes, apesar de não servir para chocar o autor do blog .



5. Assim, ao contrário do que pensa, não houve, da minha parte, um acto ingénuo, mas premeditado.
Premeditado...e sucedido.
Tenho pena que lhe custe tanto, mas é a vida...

 

 

Assim, e uma vez que o 10 de Junho está à porta, e com ele a tradição de medalhar tudo quanto é peito neste país, venho por este meio pedir humildemente a Sua Excelência o Presidente da República, que se digne condecorar o nosso ilustre e emérito concidadão Nuno Rogeiro, com a Torre e Espada, a Ordem do Infante, ou outra comenda que ache por bem; pelos serviços prestados em prol da salvaguarda e defesa da verdade histórica recente da Europa, contra toda e qualquer espécie de revisionismo, e, pela coragem demonstrada, ao assumir em pleno coração do "eixo do mal", e com o risco da própria vida, a memória do povo judeu; ao contrário de muito boa gente que se limita a teclar num qualquer blogue, de pantufas e no conforto do lar.

Sem mais de momento, e grato pela atenção dispensada, (segue-se a assinatura).