Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A insustentável leveza de Passos Coelho

por josé simões, em 20.03.17

 

Chuck Jones. Character layout drawing, Bugs Bunny,

 

 

Daí nem ser de gastar o precioso tempo do Conselho de Ministros com tamanha maçada:

 

Teríamos necessidade entre 40 a 50 mil milhões de euros para poder imunizar o sistema bancário dos riscos mais elevados

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

O Marcelo das lamentações

por josé simões, em 06.02.17

 

know.jpg

 

 

Meia-dúzia de maduros, originários de nenhures a milhares de quilómetros de distância, aterram na Portela e, semanas depois, já sabiam desde o número de funcionários da limpeza nos ministérios às fundações gordurentas, das escolas com telhados de amianto aos enfermeiros nos hospitais, das obras públicas às estradas sem portagem, do número de alunos por turma ao valor do IMI arrecadado pelas câmaras municipais, de tudo e mais alguma coisa, onde cortar e taxar, e ninguém se pergunta como, a razão desde conhecimento detalhado.

 

A gente lamenta que o Presidente não tenha detectado que a troika só detectou o que lhe disseram para detectar as embaixadas do arco da governação, semanas a fio em romagem ao quartel-general instalado no Terreiro do Paço.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

 

Infelizmente não é só no FMI

por josé simões, em 05.08.16

 

horrors.jpg

 

 

Mas em todos os aspectos e em todas áreas da vida dos portugueses, para o caso.
De um burro carregado de livros ser um doutor, passando pelo "foge cão" do tratamento por doutor a todo e qualquer burro, até a todo o doutor, senhor ou não, carregado de gravatas e a debitar o que a opinião privada gosta de ouvir, brincar impunemente com o dinheiro dos outros, dos que não são doutores nem têm para onde fugir, nem sequer supervisão prudencial ou interesseira ou comprometida que zele pelos seus interesses.


Quedas do BES e do Banif podiam ter sido evitadas


"pruridos ideológicos" e "elevado status social de alguns banqueiros”


[Imagem]

 

 

 

 

Há muita fraca memória na política e nos políticos

por josé simões, em 28.07.16

 

Jiminy Cricket.jpg

 

 

Carlos Moedas, herói nacional, de parabéns pelo árduo trabalho na Comissão Europeia em defesa do seu legado de quatro anos como "grilo falante" da troika. A medalhar por Marcelo Rebelo de Sousa. Como diz o outro, "há muita fraca memória na política e nos políticos...".

 

 

 

 

Guardar

Os anos da troika

por josé simões, em 08.06.16

 

1 - nelson-garrido-home-less-exhibition-palazzo-be

 

2 nelson-garrido-home-less-exhibition-palazzo-bemb

 

3 nelson-garrido-home-less-exhibition-palazzo-bemb

 

 

nelson garrido documents the architectural effects of portugal’s financial crisis

 

 

 

 

 

||| O resto é conversa

por josé simões, em 01.04.16

 

ToddLim.jpg

 

 

"[...] de acordo com os cálculos do FMI, o défice público português em 2016 irá ser, não de 2,2% como previsto pelo Governo, mas de 2,9%, no limite da regra dos 3% imposta pela União Europeia para um país sair do procedimento por défice excessivo"


Não só a estapafúrdia regra dos 3% é cumprida como até fica abaixo da linha de água e o resto é conversa. A conversa dos dois éfe éme is que ciclicamente aparecem para nos atormentar, o éfe éme i bom, com o relatório a apontar o erro de reduzir salários e pensões, o éfe éme mi mau, a avisar que não só é preciso conter salários e pensões como é urgente cortar ainda mais. Siga.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Quem matou a vida dos portugueses, os negativos e os originais, durante os anos da Troika?

por josé simões, em 29.03.16

 

Library of Congress.jpg

 

 

É impossível não deixar de cruzar estas duas notícias:


Em 2015 os bancos regressaram à rendabilidade com o regulador e supervisor bancário a referir que no ano passado "a rendibilidade do sistema bancário retomou valores positivos, depois de ter sido negativa entre 2011 e 2014". Entre 2011 e 2014.


«A Grande Depressão foi responsável por um dos períodos mais negros da economia dos Estados Unidos. Desemprego, pobreza, vidas miseráveis fazem parte das imagens, muitas delas icónicas, que ficaram desta época. Mas existem centenas de fotografias que não chegaram a ver a luz do dia os seus negativos eram perfurados.»


Quem matou a vida dos portugueses, quem furou os negativos e os originais durante os anos da Troika?

 

 

 

 

||| Nada de novo, portanto

por josé simões, em 20.12.15

 

huf_fuckit_mug.jpg

 

 

Nada de novo em o FMI vir, mais uma vez, assumir falhas no programa da troika e não se fala mais nisso o que lá vai lá vai, FMI, subtítulo "Chover no Molhado".. Nada de novo nos partidos do "não podemos diabolizar o FMI", "não precisamos de programa de Governo para nada porque o nosso programa é o programa da troika", "o Governo pode surpreender e ir mais além que as metas acordadas com a troika", "é impensável sequer pensar em colocar em cima da mesa a hipótese de uma reestruturação da dívida pública sem primeiro dar um sinal de boa-fé e empenho aos nossos credores" continuarem a papaguear que foi feito o que devia ser feito e que muito ficou por fazer mas que, apesar de tudo, correu tudo bem, que foi um sucesso e não se fala mais nisso o que lá vai lá vai. Nada de novo, portanto.


"Expectativas demasiado elevadas em relação ao efeito imediato das reformas estruturais, consolidações orçamentais feitas de forma excessivamente rápida, expectativas irrealistas em relação a uma estratégia de curto prazo de desvalorização interna e cedências no princípio de reestruturar logo à cabeça dívidas públicas pouco sustentáveis."


"As falhas dos programas da troika assumidas pelo próprio FMI"


[Imagem]

 

 

 

 

||| Quem quer ir além da troika?

por josé simões, em 13.09.15

 

 

 

[Via]

 

 

 

 

||| Jean Monnet e Robert Schuman [Capítulo II]

por josé simões, em 18.08.15

 

Jean Monnet e Robert Schuman.jpg

 

 

«Una empresa alemana se hará con el control de los 14 aeropuertos regionales de Grecia como parte del acuerdo de rescate alcanzado por el Gobierno griego con sus acreedores.»


[Jean Monnet e Robert Schuman, Capítulo I]

 

 

 

 

||| "Não, o Governo não tem um modelo de salários baixos e de desemprego para o País", Pedro Passos Coelho em 22 de Março de 2013

por josé simões, em 17.08.15

 

the-wretches peter ferguson.jpg

 

 

Da qualidade da mentira já todos estamos fartos, de barriga cheia.


«A economia portuguesa está mais competitiva desde a chegada da troika, mas em grande parte à custa da desvalorização salarial. Hoje, um em cada cinco trabalhadores (19,6%) ganha o salário mínimo nacional de 505 euros por mês.»


E depois há a filha da putice que, cada vez mais, parece dominar todos os aspectos da vida e todos os sectores de actividade em Portugal.


"Houve empresas que para não despedirem trabalhadores baixaram os salários", confirma António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), [...]  do lado dos patrões "sempre temos defendido que mais vale ter um posto de trabalho remunerado com o salário mínimo do que o desemprego".


Quando o que ele quer dizer é que do lado dos patrões "sempre temos defendido que mais vale ter um posto de trabalho mal remunerado do que diminuir a mais-valia ao patrão e/ ou ao accionista.


«Para os sindicatos, no entanto, a realidade é mais negra: "Assistimos a uma substituição de trabalhadores bem pagos por pessoas mais jovens e mal pagas." E sem aumento de produtividade, admite Sérgio Monte, da UGT.»


Como se fossemos todos muito burros e nunca tivessemos assistido pela televisão ao homenzinho responsável João Proença, de gravata e prenhe de sentido de Estado, ao lado do patrão a celebrar mais um acordo para a competitividade e o crescimento da economia e a salvaguarda do emprego.


[Imagem The Wretches [Os Miseráveis] by Peter Ferguson]

 

 

 

 

||| «A Europa precisa de uma Primavera Europeia de renovação económica e política»

por josé simões, em 06.08.15

 

 

 

«Os salários caíram. A pobreza aumentou. O desemprego continua altíssimo. Muitos portugueses emigraram. Ajustando para a população activa que não tem trabalho e o subemprego, o FMI calcula uma redução do mercado de trabalho de 20%. O FMI também diz que as reformas portuguesas foram inadequadas e que ainda têm de produzir benefícios. Portugal é um país europeu relativamente pobre. Devia estar a aproximar-se dos mais ricos através de mais investimento e aumentando a produtividade. Em vez disso, está a posicionar-se para ser ultrapassado pela Polónia e outros. É trágico.»


[...]


«O programa falhado foi projectado pela troika dentro das limitações políticas definidas pela Alemanha. E foi entusiasticamente implementado pelo governo português, que tentou ser "mais alemão do que os alemães". Mas as consequências foram desastrosas: uma longa e desnecessária depressão da qual o país ainda não recuperou e que perversamente causou uma dívida pública tão alta que ultrapassa o produto interno bruto.»


[...]


«A narrativa alemã de que a crise é culpa de toda a Europa do Sul é falsa. A Europa está numa confusão por muitas razões. Empréstimos excessivos feitos por um sector financeiro mal regulado a mutuários insensatos. As políticas mercantilistas da Alemanha - baixar salários para subsidiar as exportações e acumular enormes superavits externos - que alimentaram maus empréstimos dos bancos alemães nos anos pré--crise e que agora exportam deflação. O poder dos interesses instalados em todos os países que reprimem as oportunidades e roubam o valor criado por outros. Decisões políticas catastróficas tomadas pelos decisores da zona euro, especialmente Angela Merkel.»

 

 

 

 

||| #MitoUrbano

por josé simões, em 15.07.15

 

the_shining.png

 

 

"FMI existe para ajudar os países a superar crises de pagamentos". [...] "não vale a pena estamos a diabolizar o FMI".


[Na imagem Jack Nicholson em The Shining]

 

 

 

 

||| #PorAcasoFoiIdeiaMinha

por josé simões, em 14.07.15

 

catroga.jpeg

 

 

"As contas estavam mal feitas e não fui eu que as fiz"


«[...] a negociação do programa de ajuda externa a Portugal "foi essencialmente influenciada" pelo PSD e resultou em medidas melhores e que vão mais fundo do que o chamado PEC IV»

 

 

 

 

||| Falemos então de austeridade

por josé simões, em 18.03.15

 

Blockupy Germany Frankfurt ECB clash.jpg

 

 

Falemos então de austeridade e de despesismo e de viver acima das suas possibilidades e de cortar na despesa do Estado, social, antes de ser rebaptizado de “gorduras” e de não ter descontado o suficiente para a reforma que se recebe e de não se trabalhar bastante para a mais-valia, do patrão e accionistas, antes de ser rebaptizado de "crescimento económico. «Edifício custou 1,3 mil milhões de euros.».


[Foto galeria]