Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

War, What is it good for? Absolutely nothing. Capítulo 17

por josé simões, em 26.10.17

 

1 (3).jpg

 

 

2 (3).jpg

 

 

3 (4).jpg

 

 

5 (3).jpg

 

 

4 (3).jpg

 

 

A Victory Against ISIS in the Philippines Leaves a City Destroyed

 

 

 

 

11 de Setembro de 2001 - 11 de Setembro de 2017

por josé simões, em 11.09.17

 

9-11.jpg

 

 

[Imagem de Kristine Larsen, 1991]

 

 

 

 

Não é palerma quem quer

por josé simões, em 24.08.17

 

Worst Case Scenario.jpg

 

 

O princípio subjacente foi "se já existe uma banda chamada dEUS podemos baptizar a nossa de Allah-Las". Não é palerma quem quer, é quem pode.

 

[Na imagem o vinyl Worst Case Scenario de dEUS]

 

 

 

 

O homem do gás

por josé simões, em 22.08.17

 

Gazcidla - Odivelas.jpg

 

 

As coisas eram mais simples, ia escrever "fáceis", nos idos de um PIDE na ombreira da porta da frente ou das sombras dos bufos em cada pedra da calçada, a dar fé de quem parava para conversar à janela, da chegada do pitrolino, da passagem do almeida [se o Google não vos disser perguntem aos vosso avós o que era] da subida das escadas pelo homem do gás, contra a entrega do vasilhame, da botija vazia. Compras uma levas uma, compras duas levas duas, ninguém comprava duas e ainda havia fogões a petróleo e ferros de engomar a carvão, Setúbal anos 70. Sucking in the 70s. O medo. O terrorismo de Estado sobre os cidadãos.

 

Agora nunca ficamos pendurados a meio do banho [praise natural gas! importado de terras do califado para terras do califado] mas continua a ser compras uma levas uma, mesmo que se vá a Espanha, por ser mais barato, e se atravesse a fronteira que já não há com a "bomba" dentro da mala do carro. Normal na Europa normalizada.

 

Normal na Europa normalizada globalizada do big brother das CCTV, Via Verde, Multibanco, GPS e net monitorizada não é roubarem 120 botijas de gás num curto espaço de tempo e na mesma região sem que "intelligentsia" dos serviços secretos repare no inusitado da situação. Normal não é um imã pregador do ódio e da violência circular pela Europa de Schengen sem que "intelligentsia" dos serviços secretos se lembre de somar 1 + 1 e ligar o passado de Bruxelas ao futuro de Barcelona. A "asnogentsia", de asno, dos serviços secretos, lesta em acções de propaganda sobre a opinião pública com as dezenas de atentados terroristas gorados até ao dia do atentado terrorista que matou dezenas, perpetrado pelo terrorista que estava referenciado e andava debaixo de olho, na célula terrorista que andava a ser seguida e que, logo no dia a seguir, foi desmontada, sem sobreviventes para em tribunal contarem a história. Então se todos sabiam quem eram, quantos eram e onde se reuniam e o que tramavam porque é que as coisas aconteceram? Ou o terrorismo anónimo sobre o cidadão anónimo, antes brigadista vermelho revolucionário e agora islâmico, é amigo do terrorismo de Estado, democrático na forma, como justificação para toda a panóplia de supressão de direitos e garantias, uma espécie de Cancer Man dos X-Files aplicado à realidade do dia-a-dia. Não sei não…

 

[Imagem]

 

 

 

 

O senhor Presidente do Conselho

por josé simões, em 21.08.17

 

marcelo_caetano.jpg

 

 

Marcelo, desde o primeiro dia, assumiu que é Presidente do Conselho, o Parlamento, a pouco-e-pouco, acostumou-se, interiorizou que Marcelo é Presidente do Conselho. Tudo está bem quando acaba bem.

 

Marcelo não teve autorização do Parlamento para ir a Barcelona. Mas ninguém se zangou

 

 

 

 

A "Aliança Trump" contra o terrorismo

por josé simões, em 08.06.17

 

Saudi Arabia’s players did not line up for the m

 

 

Saudi Arabia national team refuse to honour minute's silence for London terror victims

 

 

 

 

Imagine...

por josé simões, em 05.06.17

 

andreas baader gudrun ensslin 1968.jpeg

 

 

Imaginem que Andreas Baader deixava de falar com Ulrike Meinhof, imaginem.

 

A Arábia Saudita e cinco dos seus aliados mais próximos cortaram as relações diplomáticas e encerraram as fronteiras com o Qatar justificando a decisão com as ligações e apoio a grupos terroristas

 

[Na imagem Andreas Baader e Gudrun Ensslin]

 

 

 

 

 

 

 

'enough is enough'

por josé simões, em 05.06.17

 

may.jpg

 

 

Theresa May has warned that there has been “far too much tolerance of extremism” in the UK

 

 

 

 

O triunfo da imbecilidade na SIC Notícias

por josé simões, em 04.06.17

 

Sem Título.png

 

Sem Título-.png

 

 

À parte os contactos que só ele tem para lhe passarem informação que só ele sabe sobre coisas que só existem a partir do momento em que saem da sua boca para fora para grande espanto do mundo civilizado e que deve ser a explicação plausível para ter lugar cativo na televisão do militante n.º 1 ou noutra qualquer, Nuno Rogeiro começa por informar o tele-espectador de que Borough Market é ao pé da "casa dos horrores" de Londres, está feito o enquadramento, e que é um mercado "subterrâneo", não é bem subterrâneo, é por "baixo da ponte", tivesse antes de ir para estúdio colocado o cursor noutra direcção no street view e Borough Market era um edifício cheio de luz e debaixo do sol [nas imagens].

 

A seguir a menina entra em directo por telefone com uma portuguesa em Clapham para elucidar os portugueses sobre o ataque terrorista em Borough Market. Tudo bem não fora Clapham ficar a 9 ou 10 km de distância do "mercado subterrâneo". Desde já me disponibilizo para dar à SIC Notícias os contactos de amigos que tenho em Edgware para eventuais ocorrências em Victoria Station.

 

Entra em directo a partir do estúdio um rapazito com sotaque brasileiro que explica às pessoas em casa como é a tal da London Bridge com imagens da Tower Bridge enquanto traduz um comunicado da Metropolitan Police com rã para Run e Heidi para Hide e mais não ouvi que rebentou tudo a gargalhar à minha volta.

 

A noite segue a bom ritmo com Nuno Rogeiro a defender que cada cidadão deve utilizar o seu telemóvel como arma no combate ao terrorismo, informando a polícia das movimentações dos jihadis, tipo foram por ali, um cidadão, e outro cidadão foram por acolá, e ainda mais outro que aponta outra direcção, a polícia à nora, um polícia para cada dedo apontado e uma alínea, a) excepto os terroristas, esses não podem usar o seu telemóvel de cidadão para desinformar a polícia.

 

Estávamos nisto quando chega uma nota da Metropolitan Police a apelar aos cidadãos para não usarem os telemóveis na zona dos ataques e o Rogeiro que sim senhor, muito bem, a polícia precisa de triangular chamadas para localizar as posições e as tocas dos terroristas, é uma técnica não muito conhecida do pagode, e lá foi a teoria do telemóvel cidadão por água abaixo em questão de minutos e sem pestanejar.

 

Chegado aqui não aguentei mais tamanha carrada de imbecilidades e fui-me deitar.

 

Fechem os estúdios e deitem a chave ao rio.

 

 

 

 

Tempos que correm

por josé simões, em 14.05.17

 

angst.jpg

 

 

Angst

 

[Daqui]

 

 

 

 

 

Terrorismo

por josé simões, em 21.04.17

 

Iraqi prisoners held by 1QLR in 2003 in a photogra

 

 

Recapitulando, o terrorista de Dortmund afinal não é um fundamentalista islâmico, é um fundamentalista do capitalismo finamceiro especulativo, vulgo liberalismo.

 

[Na imagem "Iraqi prisoners held by 1QLR in 2003", autor desconhecido]

 

 

 

 

 

Terrorismo de Estado

por josé simões, em 27.03.17

 

whatsapp.jpg

 

O terrorismo alimenta o Estado que se alimenta do terrorismo para a repressão e o terrorismo de Estado.

 

Government is 'using' Westminster attack to grab unnecessary spying powers

 

[Imagem]

 

 

 

 

...

por josé simões, em 23.03.17

 

westminster london uk.jpg

 

 

 

 

 

E agora ninguém se ri

por josé simões, em 30.01.17

 

saudi arabia wall.png

 

 

O maior financiador e exportador mundial de terroristas e de terrorismo:

 

Revealed: Saudi Arabia's 'Great Wall' to keep out Isil

 

 

 

Bushy – Sarkozy – Hollandy, a mesma luta

por josé simões, em 03.01.17

 

ABC.jpg

 

 

Hollande foi ao Iraque dizer às tropas que estão ali porque são pagas para ali estarem, ou noutro sítio qualquer desde que lhes paguem, que afinal estão ali para prevenir o terrorismo em França, mais ou menos a mesma razão invocada por Sarkozy para bombardear a Líbia de Kadafi, criar um mar de mortos no Mediterrâneo a todos os dias da semana e a todos os meses do ano, desestabilizar toda uma região e inventar terrorismo onde ele não existia.


O mesmo argumento usado por W. para bombardear e invadir o Iraque, com as tropas americanas que são pagas para isso e com o trabalho sujo, que nem as tropas americanas que são pagas para fazer o que lhes mandam fazer aceitam fazer, entregue aos mercenários fora-da-lei da Blackwater, acrescentando ao argumento o piedoso neoliberal devaneio do "efeito dominó" de espalhar a democracia a toda à volta depois da queda do ditador Saddam, na realidade e na prática mais um mar de mortos no Mediterrâneo, um mar de mortos em terra, no Iraque, com bombas e ataques suicidas a todos os dias da semana e a todos os meses do ano, e a invenção do ISIS, que em franciu se diz Daesh, e que é a razão para os franceses estarem onde estão, segundo Hollande.


[Depois Paulo Portas foi o primeiro governante ocidental a aterrar em Tripoli, a capital da nova Líbia democrática para negociar um manancial de contratos para as empresas e as exportações portuguesas, o El Dorado no norte de África depois da conquista de Ceuta por D. João I, mas isso são outros quinhentos.]


[Na imagem a primeira página do neo-franquista ABC]