Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 25.09.17

 

Kim.jpg

 

 

O verdadeiro artista ou a excelência do ensino privado:

 

Antes da subida do rating Portugal era visto como a Coreia do Norte

Nuno Fernandes, director da Católica Lisbon School of Business and Economics

 

[Imagem]

 

 

 

 

Os que no governo querem realizar a revolução socialista

por josé simões, em 16.09.17

 

cavaco_passos.png

 

 

Standard & Poor's retira Portugal do 'lixo'

 

[Aqueles que ainda piam fingem que piam]

 

 

 

 

"a realidade tira o tapete à ideologia", capítulo III

por josé simões, em 03.09.17

 

Cavaco.jpg

 

 

Moody's melhora perspectiva do "rating" de Portugal

 

"a realidade tira o tapete à ideologia"

 

 

 

 

Um passo atrás para dar dois à frente

por josé simões, em 18.06.17

 

Miguel Marquez.jpg

 

 

Que a Fitch baixou o outlook depois da entrada em funções do Governo da 'Geringonça', por socialistas condicionados na acção governativa por estalinistas e trotskistas, os mercados, os investidores, o drama, a tragédia, o horror, deduz-se. Não, não perdemos um ano, demos um necessário passo atrás para dar dois à frente na desmontagem da TINA - There Is No Alternative, e é isto que dói a Pedro Passos Coelho à direita radical, a desmontagem de toda uma narrativa para o empobrecimento do país e para a transferência de riqueza do trabalho para o capital durante os quase 5 anos em que foi primeiro-ministro.

 

[Imagem]

 

 

 

 

A filha da putice em directo e em horário nobre

por josé simões, em 21.10.16

 

this_ends_here David Lyle.jpg

 

 

A DBRS não baixou o rating do país e isso “são boas notícias para o Governo”, a menina do telejornal do Mário Crespo na televisão do militante n.º 1 – SIC Notícias, porque se isto tudo der para o torto quem arca com as culpas e as consequências é o Governo, coisa que nos idos do Governo da direita radical eram “boas notícias para o país” e, com um bocado de jeito, para toda a zona Euro.


A menina do telejornal do Mário Crespo na televisão do militante n.º 1 – SIC Notícias antes de introduzir a "análise" do Zé Programa de Governo. Que isto da DBRS não baixar o rating do Governo da Geringonça, quando antes podia baixar o rating de Portugal, é tudo concertado com os mercados, porque os os investidores precisam de dívida pública rentável, já que a alemã dá juro negativo, e porque há buéeeee fundos de pensões espalhados por esse mundo fora que vivem dos juros de países lorpas como Portugal.


Se isto não é a filha da putice em directo e em horário nobre...


[Imagem de David Lyle]

 

 

 

 

Guardar

||| Riscar o que não interessar

por josé simões, em 25.02.16

 

 

 

O tempo corre contra Passos Coelho. Passos Coelho corre contra o tempo. O tempo corre mais rápido que Passos Coelho. O tempo está a esgotar-se para Passos Coelho. O tempo de Passos Coelho não é o tempo do partido de Passos Coelho. O partido de Passos Coelho começa a ficar sem tempo. Passos Coelho não tem a noção do tempo.


[Social-democracia, sempre!]


"Moody’s aplaude Governo pela aprovação do Orçamento"

 

 

 

 

||| Agências de ratação financeira

por josé simões, em 29.01.16

 

jericho.jpg

 

 

Enquanto se tratou de pôr o contribuinte a resgatar dois bancos, primeiro o BES, depois o BANIF, não se ouviu nenhuma agência de ratação [não é gralha nem o auto correct] financeira questionar o Orçamento do Estado nem o cumprimento de metas nem os compromissos assumidos com os credores nem a credibilidade do país.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Quatro anos de miséria depois

por josé simões, em 28.01.16

 

balão.jpg

 

 

Quatro anos passados de Governo PSD/ CDS a cortar em salários e pensões e nas funções sociais do Estado, quatro anos de encerramentos e falências de empresas, de despedimentos e desemprego e emigração, quatro anos depois de Carlos Moedas ter jurado a pés juntos que 'os-juros-vão-baixar-e-o-rating-da-Nação-vai-subir-quando-o-PSD-chegar-ao-Governo' vem a Fitch dizer que "só melhora rating quando vir empenho de Portugal". Quatro anos perdidos a marcar passo na miséria.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Sexta-feira, 13

por josé simões, em 13.11.15

 

O_Reviralho.jpg

 

 

Ou duas contrariedades na Revolução Nacional contra o Reviralhismo


«Foi por "não esperar um regresso a grandes desequilíbrios orçamentais", mas apenas "um ritmo de consolidação mais gradual" que a DBRS optou esta quinta-feira manter o rating atribuído a Portugal em BBB- com tendência "estável" [...]»


«"O Partido Socialista em Portugal não é o Podemos ou o Syriza", disse o responsável pela análise de estados soberanos da Standard & Poor’s [...]»


[Foi bom Pedro Passos Coelho ter esclarecido as sua cultura política. Imagem]

 

 

 

 

||| Coisas que o primeiro-ministro devia explicar aos portugueses

por josé simões, em 20.05.15

 

lixo.jpg

 

 

Somos lixo ou abaixo de lixo ou BB ou Ba1ou BB+ [gráfico] mas "pela primeira vez na sua história" Portugal faz "emissão de bilhetes do Tesouro a taxas negativas". Diz que é "um reflexo da confiança que o país angariou com as reformas feitas na sequência do programa de ajustamento".


Para sermos todos ainda mais estúpidos o primeiro-ministro, com a voz de barítono debaixo de penteado, ombros curvados e sem olhar os interlocutores olhos-nos-olhos, como é seu timbre, devia explicar esta 'malabarice' aos portugueses.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O defeso da pescadinha de rabo na boca [Capítulo II]

por josé simões, em 27.02.15

 

pescadinha de rabo na boca.jpeg

 

 

A Moody’s [e a Pobres & Estandardizados e a Fitch também] que tem quota-parte na ascenção do Podemos do aprendiz de Hugo Chavés, Pablo Iglesias, entretida que andou a baixar ratings a torto e a direito, movida pelo bom princípio da especulação financeira e da economia de casino é a mesma Moody’s que «no sube el rating de España por el temor al 'efecto antisistema' de Podemos».


Pior do que o poder político submetido ao poder económico é a democracia a funcionar por instinto contra o poder económico, por reacção à submissão do poder político, e a implodir.


[Capítulo I]

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 18.03.13

 

Primeiro baixam-se os rating aos Estados, às regiões, às cidades, às empresas, a tudo o que mexer à face da terra, como forma de provocar uma escalada dos juros e, por consequência, os ataques especulativos financeiros que levam ao pedido de resgate - pago com a venda dos anéis e dos dedos, ao desemprego, ao empobrecimento e à miséria. Depois vêm-se alertar, com ar cândido, para «o perigo de explosão social na Europa, por causa do elevado nível de desemprego». A Standard & Poor’s até nem tem nada a ver com os Pobres & Estandardizados que agora somos todos, não é? E se fossem gozar com a puta que os pariu?

 

 

 

 

 

 

|| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 16.01.12

 

 

 

Um primeiro-ministro suficientemente novo para não ter memória e suficientemente perigoso velho para ser do tempo de "a minha política é o trabalho".

 

"parece perigoso que a agência utilize a sua atividade de notação para fazer política"

 

Com papas e bolos se enganaram os tolos.

 

[Imagem de Alfredo Estrella,  AFP/ Getty Images]

 

 

 

 

 

 

|| Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 14.01.12

 

 

 

 

 

 

 

|| E ainda há quem leve esta gente a sério?

por josé simões, em 23.09.11

 

 

 

 

Dizem que as agências de notação financeira servem para classificar os riscos de crédito, aconselhar os investidores para as possibilidades de as empresas e/ ou países não pagarem as suas dívidas dentro dos prazos estabelecidos. E aconselham. Depois dos riscos de incumprimento serem anunciados pelos próprios países e/ou empresas, depois de auditados por entidades independentes das empresas de rating, na maioria das vezes entidades dos próprios países. Chover no molhado. Podiam perguntar a qualquer aluno do 1.º ciclo que a resposta era exactamente igual à dos sábios das agências.

 

«Moody's corta notação da Madeira»