Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Portugal, 24 de Abril de 1974

por josé simões, em 11.07.17

 

Antonio_Salazar.jpg

 

 

se deixassem trabalhar a PSP como trabalhava há uns anos, bastava só oito dias e a PSP metia este país, metia os criminosos todos em linha

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Da nova nornalidade

por josé simões, em 26.08.15

 

dead fix.jpg

 

 

Viver num país onde o Estado, detentor do poder de coerção legítimo, actua sobre os cidadãos, que deve proteger, não pela pedagogia mas por objectivos. O monopólio da violência legítima ao serviço do saque e do esbulho e uma máquina de cobrança fiscal ao serviço de interesses privados .


«O Estado arrecadou nos primeiros sete meses do ano 56,2 milhões de euros em multas por violação ao Código da Estrada, mostram dados da Direcção-Geral do Orçamento, divulgados terça-feira. Este montante equivale a 85,7% do objectivo fixado para 2015.»


«Multas de trânsito já renderam 86% do objectivo para 2015»


[Imagem]

 

 

 

 

||| quando for grande, quero ser...

por josé simões, em 02.06.15

 

psp portalegre.jpeg

 

 

«1 de junho, Dia Mundial da Criança, Portalegre. É de pequenino que se aprende a malhar. Sai uma comenda no dia 10 para a mente brilhante que planeou isto, sff.»

 

 

 

 

||| Polícias e papagaios, a mesma luta

por josé simões, em 22.05.15


Como as imagens o comprovam, a PSP no Marquês de Pombal em Lisboa, por ordem do Comando do Corpo de Intervenção, sem o equipamento de protecção indicado e adequado para fazer frente às hordas de hooligans.

 

psp lisboa.jpg

 

Como também as imagens comprovam, a PSP em Guimarães, por ordem do Comando do Corpo de Intervenção sem o equipamento de protecção indicado e adequado, vê-se em palpos de aranha para controlar e manietar um facínora infiltrado numa claque de futebol.

 

psp guimaraes.jpg

 

 E os papagaios repetem e repetem e repetem e tornam a repetir isto sem que ninguém lhes diga para olharem para as imagens que eles próprios colocam no ar pelos écrans das próprias televisões ou sequer lhes diga que em Londres os 'bobbies' nem arma usam...

 

 

 

 

||| Mais do mesmo

por josé simões, em 18.05.15

 

buzinão ponte 25 abril.png

 

 

Não é Dias Loureiro na Administração Interna, nomeado por Cavaco Silva, mas é o partido de Dias Loureiro, e o partido do líder que elogia Dias Loureiro, que nomeia a Administração Interna, suportado por Cavaco Silva. Mais do mesmo, portanto.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Pithecanthropus erectus

por josé simões, em 18.05.15

 

uep.jpg

 

 

Ou "A Força da Unidade" dos os 'azuis de Guimarães'


[Imagem]

 

 

 

 

||| "A necessidade aguça o engenho", vox pop

por josé simões, em 14.05.15

 

Francois-Papa-Doc-Duvalier.jpg

 

 

No Haiti de 'Papa Doc' os polícias só recebiam uma farda e uma arma, nada de salário, nada de susídios, nada de nada e o resto era lá com eles. Por cá ainda não chegámos a tanto.


«Polícias vão buscar passes gratuitos e saem com notas na mão»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Da série "Coisas Verdadeiramente Importantes"

por josé simões, em 21.05.14

 

 

 

Há esquadras de polícia a meter água pelo telhado e pelas paredes; há esquadras de polícia forradas a amianto; há esquadras de polícia sem camaratas, onde os polícias de turno dormem no chão em cima de papelões e dentro de sacos cama trazidos de casa; há esquadras de polícia onde o papel higiénico é trazido de casa pelos polícias; há esquadras de polícia onde as patrulhas automóvel não se efectuam por falta de verba para pagar o arranjo e manutenção das viaturas na oficina; há esquadras de polícia onde as patrulhas automóvel não se efectuam por falta de verba para o gasóleo e gasolina; há esquadras de polícia onde só uma das várias viaturas ao dispor é usada, por falta da verba para a oficina e gasóleo; há esquadras de polícia onde por falta de verba para gasolina os polícias se deslocam a pé para entregar contra-ordenações e restante expediente. Tudo disponível online para consulta, até o ministro pedir ao Tribunal Europeu que ordene a retirada dos links.

 

E ainda há os salários miseráveis dos polícias, o fardamento pago do seu bolso, a carga horária, as progressões na carreira, o armamento obsoleto e a falta de treino e preparação, também online para consulta via Google.

 

E depois temos uma "consultora de programas televisivos de entretenimento contratada pela PSP [que] estudou teoria da cor" e que convenceu o ministro Miguel Macedo a gastar 18 milhões de euros do dinheiro dos contribuintes para aclarar o azul escuro das fardas de serviço.

 

Como diria o vice-trampolineiro Paulo Portas, "o socialista é muito bom a gastar o dinheiro dos outros mas quando acaba o dinheiro chamam-nos a nosotros y a vosotros para compor as coisas"

 

[Keystone Cops na imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Uma embrulhada

por josé simões, em 14.12.13

 

 

 

E eis senão quando somos remetidos para o passado dia 21 de Novembro e as perguntas voltam a ser pertinentes:

 

- Houve um pauzinho na engrenagem da hierarquia de comando?

 

- As ordens do ministro não foram acatas pelo comando; as ordens do comando não foram acatadas pelo comando no terreno; os operacionais no terreno recusaram cumprir as ordens do comando?

 

- O ministro Miguel Macedo, sentindo-se desautorizado e sem o controlo da situação, apresentou o pedido de demissão e viu-o recusado pelo primeiro-ministro?

 

- A face do ministro, desautorizado e menorizado, foi salva por um comandante, "voluntário" para ser imolado?

 

- Era necessário mudar alguma coisa para que tudo ficasse na mesma, daí o aparente contra-senso da  substituição do comandante pelo comandante das forças no terreno?

 

- As contrapartidas para o acto de "voluntarismo heróico" do comandante começam agora a ser conhecidas?

 

«Paulo Valente Gomes, exonerado após a polémica da manifestação dos polícias na escadaria do Parlamento, vai ser oficial de ligação na embaixada em França. Irá ganhar 12 mil euros por mês, o triplo do que auferia como director da PSP»

 

A novidade é um Governo de direita embrulhado com a lei e com a ordem, a juntar às embrulhadas em que esta maioria PSD/ CDS-PP é pródiga. Imagem de marca.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| É dos livros, Direita e Estado policial

por josé simões, em 08.11.13

 

 

|| Paulo Portas já não quer que Portugal seja a Roménia de Ceausescu

por josé simões, em 10.09.13

 

 

 

E vai deixar de andar de Correio da Manha [sem til] debaixo do braço e de fazer visitas à baixa de Setúbal a propósito de problemas no Bairro da Bela Vista na alta. Um valentão.

E, entre políticas de incentivo à natalidade ["a redução da população e o seu envelhecimento"] e poupar nos gastos com a segurança ["restrições orçamentais e o peso das despesas com pessoal"], o ex partido da família opta por passar a ex partido da segurança, que do contribuinte já era. E do idoso também.

 

Assim como a seguir à revolução de Abril de 74 proliferavam os partidos com "m-l" e "r" [de Reconstruído] em letras miudinhas a seguir à sigla, temos agora o CDS-PP [ex]. De "já foi", não de abreviatura de exemplo.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

 

|| Tonton Macoute - Lei e Ordem

por josé simões, em 23.07.13

 

 

 

Reza a história que nos idos de François 'Papa Doc' Duvalier no Haiti a Milice de Volontaires de la Sécurité Nationale só recebia uma farda e uma arma, mais nada, nem salário, o resto era por conta deles.

 

Não serve de termo de comparação mas é só para se perceber o princípio, com as coisas funcionam.

 

 

 

 

 

|| Coisas que não batem certo. Ou se calhar até batem

por josé simões, em 28.06.13

 

 

 

O corpo de intervenção da PSP que, na greve geral de Novembro de 2012, suportou, para lá do limite do insuportável, a chuva de pedras frente à Assembleia da República, dito de outra forma, permitiu que a "intifada" começasse e tomasse proporções inimagináveis quando a podia ter "morto" logo à nascença, é o mesmo corpo de intervenção da PSP que enquadra os manifestantes, à moda de Aljubarrota, e os encaminha para um ponto onde, inevitavelmente, o trânsito da auto-estrada seria cortado.

 

Coisas que não batem certo. Ou se calhar até batem:

 

"O que temos aqui é uma coisa muito grave, que é a realização de ficheiros políticos com dados de activistas sociais que vão a manifestações. Algo que está proibido desde o 25 de Abril [de 1974]"

 

O Governo Cavaco Silva/ Passos Coelho/ Paulo Portas já percebeu que não é pelo lado das centrais sindicais [CGTP/ UGT], pelos trabalhadores, sindicalizados ou não, enquadrados em manifestações e eventos organizados pelos sindicatos, que a coisa vai descambar. E também não é pelo lado dos anarkas, anti-sistema, okupas, anti-globalização, outsiders, uma miríade sem apoios ou estruturas de apoio, sem hierarquias institucionalizadas, sem relações de organização entre si [vários grupos]. Fazem mais barulho, mais estrago e ganham mais visibilidade mediática, mas não é por aí. São os idiotas úteis ao Governo PSD/ CDS-PP. Para mostrar serviço, como exemplo e como pressão psicológica sobre os outros, para ganhar a batalha da opinião pública, de pantufas em casa no sofá, ciosa da tranquilidade e da ordem pública.

 

Ninguém inventa nada de novo.

 

[Na imagem o Corpo de Fuzileiros da Marinha ocupa a sede nacional da PIDE/DGS, Rua António Maria Cardoso, Lisboa, 26 de Abril de 1974, Alfredo Cunha]

 

 

 

 

 

 

|| Aviso à navegação

por josé simões, em 17.03.13

 

 

 

Toda e qualquer semelhança não é mais do que o fruto da vossa imaginação:

Bela Vista não é Londonderry.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| Dirty Macedo

por josé simões, em 28.02.13

 

 

 

O ministro Miguel Macedo, habituado que está a ver Clint Eastwood, com 80 anos, a perseguir e dar caça à bandidagem, pensou para com os seus botões, "se ele aguenta eles também aguentam. Ai aguentam, aguentam" e, vai daí, decide aumentar a idade com que os profissionais da PSP e GNR podem passar à reserva ou pré-aposentação dos 55 para 57 ou 58 anos.

 

Paulo Portas, que já não anda a passear Correios da Manha [não, não há engano, é mesmo sem til] debaixo do braço pelas feiras e mercados, fica-se perante o descalabro que se adivinha na manutenção da ordem pública e no combate à criminalidade.