Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Parabéns ao PCP

por josé simões, em 23.11.17

 

 

 

Parabéns ao PCP, o da boca cheia de "piquenas" [não é gralha] e "micro" empresas. Com a pressão que a medida coloca na tesouraria das empresas, em meses fixos do ano, o que vai acontecer é um a dois meses de salários em atraso, na maioria das vezes nunca recuperáveis. Então no pequeno comércio, cada vez mais pressionado por hipers, promoções, shoppings e black fridays, e dependente das vendas do dia-a-dia para cumprir obrigações salariais, obrigações com a Segurança Social e obrigações com a Autoridade Tributária, vulgo fisco, vai ser o descalabro total.

 

O pagamento dos subsídios de Natal e de férias no sector privado vai deixar de ser feito parcialmente em duodécimos e voltará a ser feito de uma só vez, em 2018, depois da aprovação de uma proposta do PCP.

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 20.11.17

 

clown shoes.jpg

 

 

Quando tocou a eliminar feriados e dias de férias, sem qualquer compensação salarial para os trabalhadores, não veio daí grande mal para as "confederações patronais"; quando tocou em a baixar o preço da hora extra, os dias de férias e as indemnizações por despedimento, em nome da criação de emprego que nunca aconteceu, não veio daí grande mal para as "confederações patronais"; já baixar a mais-valia aos patrões e accionistas é que não pode ser, a menos que se baixem os impostos às "confederações patronais" de modo a pôr os contribuintes, e os trabalhadores que auferem o salário mínimo nacional, a pagar o aumento do salário mínimo nacional que as "confederações patronais não podem aumentar nem pagar.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Em 5 minutos

por josé simões, em 12.11.17

 

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 09.11.17

 

barbie bdsm.jpg

 

 

Acusa Teodora Cardoso, doutora, líder do Conselho das Finanças Públicas, verdadeira "gordura do Estado", o Governo de tirar proveito da "conjuntura internacional" para devolver rendimentos às pessoas e às famílias enquanto cumpre os "mínimos olímpicos" das regras orçamentais, o que só demonstra inteligência e bom-senso da parte do Governo por não ir mais além do que aquilo que lhe é permitido. Já do Governo anterior, que tirou partido da conjuntura internacional para empobrecer as pessoas, as famílias, o país, e transferir rendimentos do trabalho para o capital, Teodora Cardoso, doutora, não acusou nada, o que diz muito mais sobre ela própria e sobre o preconceito ideológico onde vive do que sobre o Governo que exigiu mais que os máximos exigidos para não cumprir nenhuma das metas a que se propôs.

 

[Imagem]

 

Adenda: O Nicolau Santos explica tudo em 02:59 minutos

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 26.10.17

 

circus-costume.jpg

 

 

A coordenadora da Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública considera que não houve progressos para os funcionários púbicos na proposta de Orçamento do Estado para 2018 porque as medidas anunciadas ficam aquém das expectativas dos trabalhadores.

 

[Imagem]

 

 

 

 

LOL

por josé simões, em 13.10.17

 

i.ashx.jpg

 

 

Depois de ter recebido Santana Lopes na véspera deste se assumir como candidato à liderança do PSD, Marcelo Rebelo de Sousa mostra-se preocupado com um "Orçamento eleitoralista" em 2019. Obviamente os Orçamentos não são da sua competência. Obviamente não é o Presidente do Conselho. E o PSD tem de ter um líder para mitigar, e se possível encurtar, a "travessia do deserto" que se aproxima.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Uma pergunta simples

por josé simões, em 18.09.17

 

xixi cao.jpg

 

 

Já não indo pelo "falar verdade" na boca de Passos Coelho da "habilidadezinha de comunicação" do simulador online para a devolução do IRS e da carga fiscal que, em princípio, só iria aliviar em 2019, se ainda durante o anos de 2015 "nós [eles] pusemos em prática um alívio do IRS" porque é que a generalidade dos portugueses não o sentiu no bolso, antes pelo contrário?

 

[Imagem de autor desconhecido]