Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Os porcos na chafurda

por josé simões, em 08.01.18

 

pink_floyd_pig.jpg

 

Mário Centeno é do Benfica e o filho de Mário Centeno também. Mário Centeno gosta de ir à bola com o filho, como todos os pais que gostam de espectáculos desportivos sejam adeptos de que clube forem. Mas Mário Centeno como ministro das Finanças não pode ir à bola com o filho como ia o Mário Centeno anónimo, para a bancada. É que, apesar de vivermos em Portugal do fim do mundo onde não se passa nada, o tempo de Jorge Sampaio a ir a pé de casa para o trabalho é um tempo que já lá vai. E quem não percebe esta coisa simples, de um ministro das Finanças na bancada do estádio, não percebe nada. Os que não querem perceber é outra história. E Mário Centeno é o ministro da inversão das políticas da direita radical, de todas as metas cumpridas, da saída do lixo das agências e da presidência do Eurogrupo. O Mário Sem Tino, como lhe chamava a direita radical nas "redes" para o desacreditar e enxovalhar, e que fez Passos Coelho chorar a rir na primeira prestação enquanto ministro no Parlamento. Deram com os burrinhos na água e, como não conseguem arranjar nada por onde pegar, soltaram os porcos na chafurda.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 06.12.17

 

clown.png

 

 

Mário Centeno deve este lugar, não só às politicas que protagonizou com António Costa nos últimos dois anos em Portugal no que concerne ao respeito pelas regras europeias, mas também ao que Passos Coelho, Vítor Gaspar e Maria Luís Albuquerque fizeram no quadriénio 2011-2015

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Acabou-se o argumento", dizem eles

por josé simões, em 05.12.17

 

now what.jpg

 

 

É por estes dias o argumento puxado para os fóruns e para os espaços de comentário nas rádios, jornais e televisões pela "direita unitária", que é aquela direita que oficialmente não é de direita mas do centro, que tanto pode ser do PS como do PSD ou até do CDS, cheia de boas maneiras e de responsabilidade e com luvas brancas e falinhas mansas, que tem boa timeline de esquerda no Twitter e no Facebook, encartada na direcção de televisões ou com avença e lugar cativo no comentário pago, que com a eleição de Mário Centeno para a presidência do Eurogrupo acaba de vez o argumento da direita, que não eles, do TINA por oposição à irresponsabilidade e ao despesismo esquerdista, inimigo das boas contas, da consolidação orçamental, da diminuição do défice e do Estado cumpridor, pagador a tempo e horas, eficaz e longe da economia o mais possível, como se fosse isso que alguma vez tivesse estado em cima da mesa e não a transferência de rendimentos do trabalho para o capital, só, e a coberto da mentira da "gordura" e do "viver acima das possibilidades", do sofrimento terreno para alcançar a glória dos mercados, nestes últimos dois com uma reversão, mínima, só possível por uma conjugação de factores, irrepetíveis: a ambição de António Costa em ser primeiro-ministro e o pavor do PCP e BE por mais 4 anos de Governo da direita radical. O resto é história e Mário Centeno faz parte dela.

 

[Imagem]       

 

 

 

 

O karma serve-se frio

por josé simões, em 03.12.17

 

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

Siga para fim-de-semana

por josé simões, em 30.11.17

 

Tara Wray.jpg

 

 

Mário Centeno, ministro das Finanças de um Governo, parafraseando a direita radical, constituído, contra a tradição, por um partido que não ganhou as eleições, é candidato a um cargo que legalmente não existe nem é consignado em nenhum tratado europeu, e que, oficialmente, define a política económica dos governos dos diversos estados europeus, eleitos em eleições livres e democráticas. Siga para fim-de-semana.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Conta-me como foi

por josé simões, em 25.05.17

 

veloso passos montenegro.jpg

 

 

Passos chora a rir na estreia de Centeno.

Era a primeira intervenção do ministro das Finanças no Parlamento. Passos, na primeira fila, não perdeu uma palavra. E riu. Riu muito.

 

E ainda no próprio dia, ideólogos, apóstolos e escudeiros do personagem que é o que escolheu ser, inundaram a rede, e no Twitter e no Facebook o ministro Centeno levou com o trocadilho e passou a ser o "ministro Semtino". E riram. Riram muito.

 

O ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schäuble, disse esta terça-feira que Mário Centeno é "o Ronaldo do Ecofin", grupo de ministros das Finanças da União Europeia.

 

 

 

 

Vale tudo

por josé simões, em 14.02.17

 

 

 

Sem perceber porque é que as sondagens lhes continuam a ser adversas e no desespero de entalar o ministro das Finanças, o primeiro-ministro, o Governo, o Presidente da República [não necessariamente por esta ordem], e provocar a queda do Governo que desmontou o TINA [There Is No Alternative], alfa e ómega do Governo da direita radical durante quase cinco anos, a liderança do PSD insinua as semelhanças entre o Governo PS de António Costa, suportado pela esquerda no Parlamento, e o Governo PS minoritário de José Sócrates, já julgado e condenado nos jornais e televisões. Vale tudo.

 

 

 

 

 

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 11.02.17

 

clown.jpg

 

 

Depois de oito Orçamentos do Estado em quatro anos de legislatura:

 

Nunca outro ministro errou tanto como Centeno diz Passos Coelho

 

[Imagem]

 

 

 

 

Piada feita

por josé simões, em 10.02.17

 

 

 

Pedro Passos Coelho acusa o ministro das Finanças de esconder ao Parlamento e de faltar à verdade.

 

 

 

 

 

É...

por josé simões, em 09.02.17

 

David Lyle.jpg

 

 

Ver um ex-secretário de Estado do Governo da direita radical, eleito com base numa mentira, a governar quatro anos pela mentira, invocar a mentira para apontar o dedo ao ministro das Finanças é...

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

O único e a the next big thing

por josé simões, em 02.11.16

 

everyone.jpg

 

 

Nem sei o que é mais preocupante, se o que António Domingues e a nova administração da Caixa Geral de Depósitos têm a esconder que lhes leve a fazer finca-pé e não tornar públicas as declarações de rendimentos, nem que para isso tenham de "desobedecer" ao Tribunal Constitucional, se a insistência de António Costa, de Mário Centeno, do Governo do Partido Socialista. no nome de António Domingues, o último banqueiro honesto e credível à face da terra ou a the next big thing do negócio bancário.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O piadista

por josé simões, em 10.03.16

 

 

 

Todos os grupos têm um piadista - ou um barraqueiro, como dantes se dizia. Em Bruxelas é Pierre Moscovici, que até rima com socialista.


"Não daremos lições nem interferiremos indevidamente nas decisões políticas nacionais, mas iremos aconselhando e, se necessário, procuraremos convencer"


Moscovici não disse aquilo que disse e que nós ouvimos dizer, estava só a fazer piadas para matar o tempo.

 

 

 

 

||| Só por isso já valeu a pena

por josé simões, em 21.04.15

 

Grant_Mudford.jpg

 

 

Só pela presença de Mário Centeno que, por não alinhar no pensamento único dominante, foi vetado pelo administrador plenipotenciário da maioria PSD/ CDS-PP no Banco de Portugal Governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, para o cargo de economista-chefe do banco central, depois de ter sido escolhido em concurso por um júri independente e depois do mesmo Governador Carlos Costa ter incumbído Vítor Gaspar, o tal, de "redesenhar a estratégia e a missão do departamento de estudos económicos" do banco já valeu a pena ver a apresentação do documento do Partido Socialista "Uma Década Para Portugal".


[Imagem]

 

 

 

 

||| Mérito, competência e transparência

por josé simões, em 13.08.14

 

 

 

«A história começa com a abertura de um concurso para o cargo de director do departamento de estudos económicos - uma vaga aberta desde o Verão. O processo de seleção foi entregue a um júri independente, e acabou por dar um resultado que Carlos Costa considerou inaceitável.

 

O candidato melhor colocado era o atual director-adjunto do departamento, Mário Centeno, alguém a quem o governador não queria, de todo, entregar o papel de «economista-chefe» do Banco de Portugal (BdP).

 

O concurso foi encerrado no final do mês passado, com o Banco de Portugal a explicar, em comunicado, que «as candidaturas não reuniam todos os requisitos».

 

No mesmo comunicado, o antigo ministro das finanças, Vítor Gaspar, foi apresentado como presidente da comissão que vai redesenhar a estratégia e a missão do departamento de estudos económicos.

 

Carlos Costa vetou escolha para economista-chefe do Banco de Portugal»

 

 

«Luis Durão Barroso, que passou a integrar o Departamento de Supervisão Prudencial do Banco de Portugal, conta com uma licenciatura em Direito na Nova e mestrado e doutoramentos tirados na London School of Economics.

Desde 2012 que é docente na Universidade Católica, sendo que, até aí, profissionalmente, contava apenas com dois estágios de verão nos escritórios de advocacia Linklaters e Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados.

 

Luís Durão Barroso foi contratado sem concurso para o Departamento de Supervisão Prudencial. A regra no banco é contratar por concurso salvo situações de "comprovada e reconhecida competência profissional".

 

Banco de Portugal contratou por convite filho de Durão Barroso»

 

 

 

 

 

 

||| E ninguém se indigna, e ninguém protesta

por josé simões, em 12.12.13

 

 

 

Enquanto se assiste à recuperação de outros métodos de outros tempos, dos tempos da máxima "o calado vai longe". Quem não professa o pensamento vigente, ou quem não o professa e ousa manifestá-lo publicamente, bater-se pela suas ideias, apontar alternativas e caminhos diferentes, pura e simplesmente é excluído ou metido na prateleira, e cuja face mais visível são os painéis de comentadeiros políticos do pensamento único, todos os dias a todas as horas em todas as televisões. O mérito e a competência não são para aqui chamados. Deve ser a isto que Rui Rio chama "uma ditadura sem rosto". Ou que o Presidente da República e o primeiro-ministro do Governo de iniciativa presidencial chamam "consenso". Mais valia instituir uma "Polícia do Pensamento".

 

«Carlos Costa vetou escolha para economista-chefe do Banco de Portugal»

 

Post-scriptum: Se já fazia sentido agora faz muito mais.