Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"O pensamento político de Sá Carneiro"

por josé simões, em 20.04.17

 

DannyKaye.jpg

 

 

Luís 'Danny Kaye' Montenegro, sendo que o original tinha infinitamente mais piada porque cantava e dançava, líder da bancada parlamentar do outrora partido social-democrata, imortalizado pela sigla PPD/ PSD e designado, por Relva & Marco, futuro líder do partido ex-liberal, tomado por dentro por um bando de gaiatos, social-democracia-sempre-com-ponto-de-exclamação-no-fim, depois de 5 - cinco - 5 anos a acusar o Bloco e o PCP de legítimos herdeiros do estalinismo-trotsquismo e representantes legais do totalitarismo-chavista-castrista na Europa, por via da corrente syrizica na Grécia, se bem que o Syriza não rime, nem que a vaca tussa, com o KKE e que nesta altura do campeonato seja ideologicamente mais social-democrata do que as siglas do PSD, um pormenor que não estraga narrativas, vem agora invocar a experiência da democracia grega, por oposição ao totalitarismo da democracia constitucional parlamentar portuguesa, com quase 50 anos de provas dadas, a propósito de aproximar o sistema político dos eleitores, sem que o pormenor de um bónus de 50 - cinquenta - 50 deputados, não eleitos em eleições livres e democráticas, dados ao partido vencedor das eleições, seja explicado aos eleitores, em particular, e ao povo, em geral. Deve ser isto "o pensamento político de Sá Carneiro" que enche a boca do designado, por Relvas & Marco, futuro líder do partido ex-liberal, tomado por dentro por um bando de gaiatos, social-democracia-sempre-com-ponto-de-exclamação-no-fim, de cada vez que abre a boca sem ter nada para dizer e sem referências políticas que se aproveitem.

 

 

 

 

 

Circo de sombras

por josé simões, em 20.04.17

 

shadows circus.jpg

 

 

O criador e a criatura, sentados à mesma mesa, matam despedem a criação:

 

O ex-dirigente do PSD Miguel Relvas apontou hoje Luís Montenegro como "um dos rostos do futuro do PSD", e aconselhou o partido a "virar a página" e ultrapassar o facto de "ter ganho as eleições e estar na oposição".

 

Miguel Relvas, antigo número dois do actual líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, foi uma das presenças no almoço do International Club of Portugal [...] sentado na mesa de honra tal como o vice-presidente do partido Marco António Costa.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

Democracia é quando a direita democrática e liberal quiser

por josé simões, em 23.02.17

 

vasco_campilho.jpg

 

 

A direita da boca cheia de democracia representativa e liberal, depois de mais de 40 anos de democracia, com eleições diversas e maiorias várias em alternância no Parlamento, recusa-se a aprender ainda não aprendeu um dos princípios base essenciais a todas as democracias representativas e liberais: o princípio da maioria. Maiorias boas e válidas são maiorias de direita, tudo o resto são arremedos de democracia a resvalar para o totalitarismo, o totalitarismo latente na argumentação usada - os bons contra os maus, que tem contra si o passado recente a a memória fresca da última maioria, da direita da boca cheia de democracia representativa e liberal [desculpem a repetição do termo "democracia", foi intencional]. O Vasco Campilho já regressava à militância activa com uma manif.

 

Luís Montenegro: "Estamos a voltar aos tempos da claustrofobia democrática"

 

 

 

 

Que tal?

por josé simões, em 06.11.16

 

 

 

[Daqui]

 

 

 

 

Coisas absolutamente maravilhosas

por josé simões, em 05.08.16

 

colossalmedia.jpg

 

 

Não é o líder da JSD de Braga vir a terreiro criticar Hugo Soares, Luís Montenegro e Luís Campos Ferreira por terem terem viajado para ver o campeonato europeu de futebol a convite de Joaquim Oliveira [Olivedesportos], quando o PSD critica o pagamento de viagens do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Rocha Andrade, pela Galp, com um lapidar "não podemos apregoar um caminho e os nossos representantes fazerem o contrário. Não podemos pedir explicações ao secretário de Estado dos Assuntos Fiscais que vai ao Europeu a convite da Galp e ser surpreendidos pela intimidade do líder parlamentar [Luís Montenegro] e do seu primeiro vice-presidente, Hugo Soares, com interesses empresariais. Não podemos condenar politicamente o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, quando o nosso líder parlamentar e o seu primeiro vice-presidente Hugo Soares aceitam participar em viagens de amigos, não dignificando e honrando as funções que exercem. Este caso é uma verdadeira pouca vergonha que não podemos aceitar de modo algum", não.


O que é absolutamente maravilhoso é, pelo meio da rabecada dada, Firmino Vila Verde Costa ter metido o primeiro-ministro no exílio ao barulho com um "o país espera mais do PSD e o líder do partido, Passos Coelho, não merece, pelo esforço que fez pelo país, este tipo de demonstrações", confirmando os zum-zuns que dão conta da crescente divisão dentro do partido, das margens cada vez mais apertadas para Passos Coelho, enquanto a bancada para lamentar [não é gralha] lhe vai minando o caminho.


[Imagem]

 

 

 

 

Um patife

por josé simões, em 02.07.16

 

mickey scott scheidly.png

 

 

Se houver sanções ficar-se-ão a dever exclusivamente à inabilidade e incompetência do actual primeiro-ministro e do Governo.


E o que tem a dizer Carlos Moedas, comissário europeu na Comissão Europeia que quer aplicar sanções a Portugal, por o Governo de Carlos Moedas, secretário de Estado, ter ultrapassado em uma décima [3, 1%] a meta do défice estabelecida para 2015?


[Imagem de Scott Scheidly]

 

 

 

 

É sempre a descer

por josé simões, em 01.06.16

 

Danny-Kaye.jpg

 

 

Primeiro em tragédia, depois em comédia.


[Na imagem o sósia]

 

 

 

 

Não se lembraram disso quando eram Governo

por josé simões, em 19.05.16

 

macaco.png

 

 

Não se lembraram disso quando eram Governo e quando decidiram, contra a lei, estender os contratos de associação a zonas do país com oferta assegurada pela escola pública e de permitir que os colégios fossem captar alunos a outras regiões, com prejuízo evidente para a escola pública, para os cofres do Estado e para o bolso do contribuinte, não se lembraram de pedir ao Conselho Nacional de Educação para elaborar e remeter para o parlamento "um estudo rigoroso relativamente aos impactos financeiros e aos custos associados ao ensino nas escolas públicas estatais e nas escolas públicas que integram a rede do ensino particular e cooperativo". De caminho pode também o Conselho Nacional de Educação elaborar e remeter para o parlamento "um estudo rigoroso" sobre o inflacionamento das notas pelas escolas privadas, que não são "escolas" mas "colégios", com vista ao ingresso do aluno, pagante, na universidade pública, onde vai concorrer em nível de desigualdade com alunos vindos do ensino público, e também um "estudo rigoroso" sobre o ensino ministrado nos colégios privados dirigido especificamente para os boas notas nos exames e consequente direito a figurar no top of the pops do ranking nacional das escolas, apesar dos sacos de vento de conhecimento que produzem.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 09.04.16

 

dannykaye.jpg

 

 

"O líder da bancada parlamentar do PSD, Luís Montenegro, defende que o Estado deve traçar limites à cobrança de impostos às famílias e às empresas, uma espécie de pacto fiscal que permita conferir alguma estabilidade à vida dos contribuintes."


[Luís Montenegro sósia de Danny Kaye, na imagem]

 

 

 

 

||| Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 02.04.16

 

 

 

"O Estado tem de ser uma pessoa de bem e os pactos estabelecidos, quer internamente quer externamente, têm de ser cumpridos"


Luís Montenegro, líder do grupo par[a]lamentar do PSD no XXXVI congresso do partido, quatro anos depois do Governo da direita radical PSD/ CDS a rasgar e mandar às malvas todos os contratos de décadas, internamente estabelecidos com os cidadãos, com o álibi dos contratos externos assinados, para reduzir salários e pensões, eliminar prestações sociais, retirar direitos e garantias às pessoas, precarizar relações laborais e desmantelar o Estado nas suas funções sociais. Não ter a puta da vergonha na cara é isto.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 16.03.16

 

palhaço.jpg

 

 

"mudam os discursos em função das plateias que têm pela frente, nós não somos desses". Luís Montenegro, líder do grupo parlamentar do PSD dirigindo-se à bancada do PS antes da votação do Orçamento do Estado para 2016.


[Imagem]

 

 

 

 

||| "Social-democracia, sempre!"

por josé simões, em 29.02.16

 

Goodfellas.jpg

 

 

"Dezenas de militantes na mesma morada, quotas pagas à pressa e em bloco e um ex-governante (Hermínio Loureiro) e o líder parlamentar (Luís Montenegro) como mandatários dos dois lados da barricada."


"Em dois meses do último verão (junho e julho) foram inscritos 418 militantes na secção de Ovar, dos quais 271 pertencem à freguesia de Esmoriz e 80 tinham residência na rua dos Pescadores."


"PSD. Militantes inscritos em bloco fazem distrital de Aveiro maior que Lisboa"


[Imagem]

 

 

 

 

||| O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 16.02.16

 

danny_kaye.jpg

 

 

"Os portugueses ainda vão ter saudades dos tempos em que o Governo protegia os rendimentos mais baixos e onerava os mais altos". Subentende.se que "o Governo" é "o Governo", "social-democracia, sempre!".


[Na imagem o original do sósia Luís Montenegro]

 

 

 

 

||| Há vida em Marte?

por josé simões, em 19.12.15

 

ufo.jpg

 

 

De ponto do Governo a moço de fretes do ex-presidente do Conselho.


«Como é ser o patrão do patrão no Parlamento e liderar o deputado Passos Coelho?


É muito fácil porque coordenamos e articulamos tudo o que aqui se faz. Estamos em contacto permanente.»


Ambrósio, apetecia-me tomar algo...


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Quatro anos depois e depois de quatro anos

por josé simões, em 04.11.15

 

 

 

Quatro anos depois e depois de quatro anos de Luís Montenegro e Adão Silva pelo PSD, Nuno Magalhães e Telmo Correia pelo CDS, à vez, em simultâneo ou revezando-se no papel de auxiliares de cena, vulgo "ponto", [no teatro escondido dentro de uma caixa na boca do palco], nos debates quinzenais na Assembleia da República a soprarem as falas ao Governo ou a plantarem dicas e deixas, disfarçadas de perguntas, para o Governo pegar e, pornograficamente, desenvolver acções de propaganda em directo, ao vivo e a cores, em encenações Bollywood num país imaginário, vem o líder da bancada do 4.º partido com assento parlamentar, a reboque do encontro com um ministro do frete a recibo verde, esbracejar o espantalho dos regimes totalitários por as bancadas à esquerda no parlamento não embarcarem na repetição da palhaçada. É preciso ter lata...


[Imagem]