Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

A propósito do jantar "web summita" no Panteão Nacional

por josé simões, em 12.11.17

 

_web summit.jpg

 

 

web summit.jpg

 

 

A propósito do jantar "web summita" no Panteão Nacional e, quando em tom de brincadeira, se diz que a direita neo-liberal, se puder e der dinheiro, até vende a própria mãe:

 

           A mim parece-me bem.

 

           Privatize-se Machu Picchu, privatize-se Chan Chan,
           privatize-se a Capela Sistina,
           privatize-se o Pártenon,
           privatize-se o Nuno Gonçalves,
           privatize-se a Catedral de Chartres,
           privatize-se o Descimento da Cruz,
           de Antonio da Crestalcore,
           privatize-se o Pórtico da Glória
           de Santiago de Compostela,
           privatize-se a Cordilheira dos Andes,
           privatize-se tudo, privatize-se o mar e o céu,
           privatize-se a água e o ar, privatize-se a justiça e a lei,
           privatize-se a nuvem que passa,
           privatize-se o sonho, sobretudo se for diurno
           e de olhos abertos.

 

          E, finalmente, para florão e remate de tanto privatizar,
          privatizem-se os Estados, entregue-se por uma vez
          a exploração deles a empresas privadas,
          mediante concurso internacional.
          Aí se encontra a salvação do mundo…

 

          E, já agora, privatize-se também
          a puta que os pariu a todos.

 

José Saramago in Cadernos de Lanzarote – Diário III. Lisboa: Editorial Caminho, 1996

 

 

 

 

As coisas que a gente aprende no Twitter da direita radical

por josé simões, em 07.11.17

 

homer.jpg

 

 

Que o Web Summit, de evento que ia colocar Portugal no "topo do mundo tecnológico", de "mudança estrutural fundamental", de grande vitória da "diplomacia económica" de Paulo Portas e de Leonardo Mathias, de Miguel Frasquilho à frente do AICEP, do grande empurrão à hotelaria e turismo, da projecção de Portugal e Lisboa na aldeia global, para histeria sem precedentes num pavilhão em Lisboa, o nacional-parolismo com os socialistas na primeira fila.

 

Que em 2014 o surto de legionella em Vila Franca de Xira não tinha nada a ver com a revogação pelo Governo PSD/ CDS no ano anterior da Lei  da verificação obrigatória da qualidade do ar em edifícios públicos, verdadeira "gordura do Estado", que bastava cumprir as normas, e daí o chumbar do projecto de resolução apresentado pelo Bloco de Esquerda para reintroduzir as normas revogadas, para em 2016  ser importante saber se as normas estão a ser cumpridas, que o ministro da Saúde deve uma palavra aos portugueses, que o Governo socialista ainda não repôs a norma revogada pelo Governo PSD/ CDS e cuja reintrodução proposta pelo Bloco de Esquerda foi chumbada no Parlamento pelas bancadas do PSD e CDS, reintroduzida em 2016 com os votos contra do PSD e do CDS.

 

As coisas que a gente aprende no Twitter da direita radical, a desonestidade, intelectual e política, ou como a direita radical quando não tem mais nada em que morder morde nos seus.

 

[Imagem]

 

 

 

 

O surrealista naif

por josé simões, em 29.09.17

 

Marc-Chagall-Birthday.jpg

 

 

Marcelo, o novato ingénuo, só baixou o vidro parado no trânsito.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Contagem decrescente

por josé simões, em 29.09.17

 

 

 

Passos matou PSD em Lisboa, é homicídio qualificado

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 27.09.17

 

 

 

Era Sérgio Monteiro secretário de Estado dos Transportes no Governo da direita radical, o do mui famoso "fazer mais com menos", e, por orientação da tutela, o Metro de Lisboa aumentou os tempos de espera entre circulações, reduziu as composições, desactivou o sistema de travagem de emergência e os sprinklers - sistema de combate ao fogo nas carruagens em caso de incêndio.

 

Era Sérgio Monteiro secretário de Estado dos Transportes no Governo da direita radical e Teresa Leal Coelho, deputada do PSD, ia para a Assembleia da República de topo de gama com estacionamento privativo onde se sentava na bancada parlamentar do PSD, o partido maioritário da coligação de suporte, ao lado do CDS.

 

[Vídeo]

 

 

 

 

Não perceber nada de nada

por josé simões, em 22.09.17

 

Maren Morstad.jpg

 

 

Não perceber nada de nada é trazer o histriónico Paulo Rangel para a campanha da senhora Leal ao Coelho em Lisboa, para criar ainda mais anti-corpos no eleitorado, enquanto se sublinha a vocação cosmopolita de uma cidade, não só capaz de eleger alguém oriundo do Porto como presidente da Câmara, algo que o Porto, enredado nas teias do complexo regionalista-futeboleiro está longe de o conseguir fazer - eleger alguém nascido em Lisboa para o comando da autarquia, mas também de o adoptar como um igual - um "burocrata de Chelas" ou um amigo do Bairro São João de Brito, em campanha sem recurso à mentira.

 

[Imagem]

 

 

 

 

Depois não digam que não foram avisados

por josé simões, em 06.06.17

 

Three women share a bench in Glasgow during a vigi

 

 

Pelo telefone entra o líder do Centro Islâmico do Bangladesh de Lisboa em directo no Opinião Pública da SIC Notícias em defesa da nova-futura mesquita da Mouraria invocando, entre outra argumentação, o direito histórico, no nome do bairro, daquilo que já foi deles, daquilo que é deles outra vez, como se ainda estivéssemos no tempo da espadeirada, do espalhar a fé pela jihad, do cortar a cabeça aos infiéis, do eles contra nós, do Estado religioso, de zonas na cidade demarcadas pela confissão religiosa, minutos depois de uma proprietária de loja, na rua da actual mesquita, ter dito "são boas pessoas, tenho é de estar sempre a ralhar com eles por andarem sempre de volta dos rapazes que jogam à bola na rua", a doutrinar. Depois não digam que não foram avisados.

 

[Na imagem "Three women share a bench in Glasgow during a vigil for victims of the London bombings", autor desconhecido]

 

 

 

 

Não ter a puta da vergonha na cara é isto

por josé simões, em 10.05.17

 

metro lisboa paulo portas.jpg

 

 

Imaginemos um operador privado a construir 20 - vinte - 20 estações de metropolitano. Imaginemos. E é por isso que devem ser os contribuintes a pagá-las, via investimento do Estado. O CDS nunca se engana no alvo nem em a quem servir e Assunção Cristas consegue ver muito mais além, ter "rasgo, horizonte e ambição" e, apesar de por vezes parecer básica de raciocínio, anda sempre várias jogadas à frente, qual jogador de xadrez. Como diria Paulo Portas, os centristas-populares são muito bons a gastar o dinheiro dos outros em "obras faraónicas".

 

Do partido que queria privatizar o Metro de Lisboa:

 

Cristas quer 20 novas estações de Metro em Lisboa

 

[Imagem]

 

 

 

 

Também era só o que faltava

por josé simões, em 30.03.17

 

 

Prometo mais assiduidade como presidente da Câmara

 

Teresa Leal Coelho, candidata pelo PSD à Câmara Municipal de Lisboa, em entrevista ao diário Observador, transmitida via Twitter.

 

[Clara Bow na imagem]

 

 

 

 

 

...

por josé simões, em 24.03.17

 

 

 

Serei, dentro de alguns meses, presidente da Câmara de Lisboa

 

 

 

 

Como diria a direita radical

por josé simões, em 18.03.17

 

bailerina 4.jpg

 

 

Como diria a direita radical - PSD/ CDS, se fosse no privado tinha sido despedida sem apelo nem agravo:

 

Teresa Leal Coelho falhou 91 reuniões como vereadora em Lisboa

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Para bom entendedor

por josé simões, em 15.12.16

 

morte_.jpg

 

 

Dirigentes do PSD apelam a Passos para candidatar-se à Câmara de Lisboa


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"E os símbolos estão datados e até podem ser ofensivos"

por josé simões, em 20.07.16

 

stalin eraser.jpg

 

Não estamos a apagar nada, nem a recuperação da memória significa a recuperação de determinada simbologia.

 

Guardar

Que outro valor mais alto se alevanta

por josé simões, em 09.06.16

 

Proposta-Concurso-Sardinhas-Festas-Lisboa.png

 

 

A revista Visão já tinha anunciado em Abril a ida de Maria Luís e também do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, à reunião. No entanto, Medina não consta da lista que a organização enviou ao DN e fonte do gabinete do autarca garante nunca ter tido conhecimento desta visita. Até porque há vários compromissos no âmbito dos santos populares.


[Imagem e título]

 

 

 

 

||| Outros arquitectos de regime

por josé simões, em 23.06.15

 

Albert_Speer.jpg

 

 

[Imagem]