Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Sócrates acusado

por josé simões, em 14.10.17

 

 

 

Escrevem os jornais, todos, e dizem as televisões, todas, que o Ministério Público quer que o Sócras seja impedido de exercer cargos públicos durante 5 anos "depois" de condenado. Não é "se", é "depois".

 

[Vídeo]

 

 

 

 

Um desconfiado do caraças

por josé simões, em 16.02.17

 

friends.jpg

 

 

Cavaco Silva que nunca desconfiou de Oliveira e Costa, Cavaco Silva que nunca desconfiou de Arlindo de Carvalho, Cavaco Silva que nunca desconfiou de Dias Loureiro, Cavaco Silva que nunca desconfiou da rentabilidade das acções da SLN não cotada em bolsa, Cavaco Silva que nunca desconfiou de Ricardo Salgado e, não só nunca desconfiou, como até aconselhou os portugueses a confiarem, pois bem, Cavaco Silva sempre desconfiou de José Sócrates, de tal forma que até achou por bem deixar a desconfiança plasmada em livro para a posteridade. Um desconfiado do caraças este Cavaco Silva.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

Essa é que é essa

por josé simões, em 22.10.16

 

google helmet.png

 

 

Vai grande rebuliço no tuita e no feice coise e no velhinho ai faive, agora tá gade, a dark web dos fugidos ao controlo parental, entre os discípulos e apaniguados e apóstolos e camaradas do Moreira de Sá de Passos Coelho, dos perfis falsos nas redes sociais e da proliferação de blogues, anónimos ou nem por isso, das chamadas telefónicas para o tudo o que era fórum nas rádios e televisões, das suspeições levantadas e falsos testemunhos e da boataria generalizada e da merda nas ventoinhas, quanta mais melhor, por o Prémio Pulitzer, pela descoberta do Estripador de Lisboa depois da Grande Entrevista ao Capitão Roby, ter desvendado o maior mistério da blogocoisa portuguesa desde os idos em que a blogocoisa era a blogocoisa e toda a gente ir todos os dias ler o Abrupto do Pacheco Pereira e por ter finalmente descoberto a careca ao Miguel Abrantes, que afinal não é o Miguel Abrantes, nem sequer o Sócras himself a escrever sob pseudónimo, mas um tal António Peixoto, pago pelo Sócras, por interposta pessoa um tal de Rui Mão de Ferro, quiçá com dinheiros do contribuinte e sem passar recibo nem descontar para a Segurança Social, e que não é maneta mas que administra, a meias com Carlos Santos Silva, com a tal da mão, tudo o que seja malabarice do Sócras.


O problema, se é que alguma vez existiu um problema, não é o anonimato do Abrantes, que afinal não é Miguel mas Peixoto, António, descobriu a Cabrita, Felícia, nem sequer se o dinheiro veio do contribuinte ou do Carlos Santos Silva, por via das trafulhices feitas pelo Sócras, como já ficou provado nas páginas do Correio da Manha [sem til] e transitou em julgado nas redes sociais depois de condenado pelo tribunal da opinião pública, nem sequer se o Abrantes Peixoto passou recibos, nem tampouco se o Miguel António descontou para a Segurança Social, que se calhar nem sabia da obrigatoriedade de o fazer e que como ele há muitos e que tal nem sequer é impeditivo de aspirar a ser um dia primeiro-ministro de Portugal, não.


O problema é que tudo o que foi escrito e está escrito no Câmara Corporativa, que ao contrário dos blogues do Moreira de Sá de Passos Coelho não correu a apagar posts, cache incluída, são verdades, bem fundamentadas e detalhadas, com cruzamento de dados, coisa que as televisões os jornais e as rádios do pensamento único dominante deixaram de fazer, tudo sem recorrer ao insulto, à calúnia e à difamação, e essa é que é essa.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

Guardar

Poder torturar também ajudava

por josé simões, em 27.07.16

 

O-Presidente-da-Tortura.jpg

 

 

No especial sobre o Sócras que a televisão do militante n.º 1 – SIC Notícias, meteu no ar, por coincidência, e só por coincidência, logo na noite em que a coligação PàFiosa viu a esperança sancionatória da Comissão Europeia desmontada, e onde a única surpresa foi a ausência do 'especialista' Nuno Rogeiro num painel que incluía um Zé Gomes 'programa-de-governo' Ferreira a interromper as férias para ir até ao estúdio de Faro fazer uma perninha e perorar sobre os indícios nas auto-estradas onde não passa ninguém, nem ele, e nas PPP's, enquanto fazia alarde da sua burrice em relação a uma coisa chamada "inversão do ónus da prova" e de outra coisa chamada Constituição da República Portuguesa à guarda do Tribunal Constitucional, ouvimos, todos, um magistrado justificar a sua incompetência com a ausência da bufaria legalizada na investigação criminal – "delação premiada", Brasil style. Poder torturar para obter uma confissão se calhar também ajudava. Ou então somos nós que passamos demasiado tempo a ver CSI's na televisão, com investigações no estrito cumprimento dos prazos e do Estado de direito.


[Imagem]

 

 

 

 

Guardar

Guardar

Guardar

Vamos ao que verdadeiramente interessa

por josé simões, em 20.06.16

 

CGD.jpg

 

 

E o que verdadeiramente interessa é que


Há no entanto uma outra motivação para esta acção política. Trata-se de desacreditar tudo o que é público. Claro que a Caixa teve problemas com créditos concedidos como tiveram todos os bancos em Portugal e no Mundo. Mas há uma diferença significativa e que é esta: quando os empréstimos concedidos levaram a lucros da Caixa esses lucros foram distribuídos como dividendos ao Estado. Nos dez anos antes da crise de 2008, o Estado encaixou 2,27 mil milhões de euros em dividendos. Não, não é tudo a mesma coisa, como se pretende fazer crer. A Caixa teve lucros públicos e prejuízos igualmente públicos. Os bancos privados quando tiveram lucros estes foram privados; quando tiveram elevados prejuízos estes, pelo menos em parte, foram tornados problema público. E talvez o mais inquietante seja perceber que nessa altura a sociedade estava verdadeiramente encurralada: o mal menor foi pôr dinheiro público na resolução do problema ou, como justamente se diz, socializar os prejuízos. Verdadeiramente, a questão à qual temos que responder é esta: como defender que a actividade bancária seja privada e mercantil se nos momentos de aflição, de insucesso ou de falência, os prejuízos têm que ser suportados pelo Estado? E por favor, não podemos apenas responder com o "eterno ontem": é assim porque sim e porque sempre foi assim. Quem não anda às escuras no debate percebe bem que precisamos de trocar umas ideias sobre o assunto.


O que é público é de todos [não misturar com a má administração] e o que é privado é só de alguns e tudo o resto é fogo de artifício para desviar as atenções com o Sócras, o malandro, já julgado e condenado e que ainda se atreve a ter opinião e publicada.


[Imagem]

 

 

 

 

Nas ventas

por josé simões, em 02.06.16

 

 

 

Depois da câmara de televisão, estrategicamente colocada na Portela de Sacavém para ver passar El Chapo Sócras, algemado dentro do carro da 'judite' – o jornalista ia a passar por ali e desconfiou que qualquer coisa estava prestes a acontecer; depois das manchetes, todos os dias no Correio da Manha [sem til] e no i, com pormenores detalhados da investigação, condensados ao fim-de-semana no Sol e ditos de viva-voz pela Cabrita na TVI, Ventinhas, presidente do Sindicato dos Magistrados do Ministério Público, sem se rir, ou a rir-se por dentro a gozar com todos os portugueses e com o Estado de direito, que

 

Alguns meios de comunicação social são controlados por alguns arguidos poderosos que tentam, através desses meios, deslegitimar a atuação do Ministério Público na opinião pública ou condicionar a sua intervenção

 

insinuando com o manhoso do Proença de Carvalho, que já foi advogado do bandido El Chapo Sócras, e que agora é presidente do conselho de administração de um grupo de comunicação social, que deve ser precisamente o proprietário do jornal que falta falta fazer primeiras páginas com os pormenores da investigação a El Chapo Sócras que, por qualquer razão, os outros se esqueceram de publicar. Ventinhas que em Dezembro de 2015 já tinha julgado e condenado José Sócrates à porta fechada, e sem possibilidade de defesa.


Se isto fosse com um ministro, com um secretário de Estado, com um presidente de Câmara, com um director-geral de qualquer coisa, com um comandante da polícia ou uma patente militar com responsabilidades superiores na cadeia de comando, por exemplo, se depois destas bocarras não pedisse logo de imediato a demissão, haveria, de certeza, alguém hierarquicamente superior que lhe faria ver a necessidade, irrevogável, de o fazer. Assim vamos ter de levar com ele nas ventas, até que a reforma o chame.

 

 

 

 

||| Pinóquio strikes back

por josé simões, em 07.05.16

 

Pinocchio_1940.jpg

 

 

O primeiro-ministro em exercício convidou o "former" primeiro-ministro, aquele que lançou a obra "Túnel do Marão", para a inauguração da dita, e convidou também o "former" primeiro-ministro, aquele que, por questões ideológicas, suspendeu a obra para, anos depois e por questões eleitoralistas, a retomar, e que, como primeiro-ministro no exílio, por ignorância do funcionamento do sistema parlamentar constitucional  recusou o convite e, por ressabiamento, arranjou uma desculpa esfarrapada como justificação, algo que as televisões podiam facilmente desmontar através de uma busca de segundos no Google, ao invés de, a todas as horas certas e com a televisão do militante n.º 1 à cabeça, repetirem a mentira sem desmentidos nem contraditório.


[Imagem]

 

 

 

 

||| "m'espanto às vezes, outras m'avergonho"

por josé simões, em 23.04.16

 

m.obstr.jpg

 

 

O Público não é livre de criticar Sócrates que perdeu a noção da realidade e é livre de disparar sobre tudo e sobre todos, o Público incluído, e de tentar colar o PS a um processo judicial que ele quer político e fazer a vida negra a Costa e ao Governo do PS suportado pela esquerda, o que dá muito jeito a Passos Coelho que não ficou espantado com Duarte Marques que mandou calar Pacheco Pereira. "não é um bom sintoma de democracia".


[Imagemtítulo do post]


Adenda: a ser qualquer coisa, não é "não é um bom sintoma DE democracia" mas antes "não é um bom sintoma PARA A democracia". O resto é uma "mest' ficação" o que no caso de Passos Coelho é mais uma mephisticação.

 

 

 

 

||| Panamá Tretas, 2.ª Semana

por josé simões, em 16.04.16

 

PanamaHat.jpg

 

 

Nos Panama Tretas no jornal do militante n.º 1 já passaram à reserva territorial u, "ex-presidente do Benfica", um "ex-ministro" de José Sócrates e "ex-BES", continua no activo o saco de pancada, morto – Ricardo Salgado, agora na companhia do joker – Sócras himself, que safa todas as primeiras páginas e aberturas de telejornal, da chuva no nabal ao sol na eira e, o empresário, que continua a ser "ex-nada" mas que, após uma semana de muita insistência, com as redes e a bloga a linkar o Google, já é "foi comendado por Cavaco Silva" porque a partir de hoje os outros – Helder Batalgia e "o dono da Gelpeixe", "comendadores da República", também o foram.


Entretanto os "há ex-ministros", prometidos pelo jornal do militante n.º 1 no dia zero dos Panama Tretas, vão preparando a sua defesa, nos media que é onde se julga e condena, já que são para publicar, em fascículos coleccionáveis no lugar da História de Portugal do Rui Ramos, só lá para o Verão, aquela época do ano em que é preciso manter as tiragens porque o pagode vai para a praia e deixa a encomenda feita no quiosque ou na tabacaria.


[Imagem]

 

 

 

 

||| É um pássaro? É um avião? É o Super Homem!

por josé simões, em 15.12.15

 

Superman.png

 

 

Quando José Sócrates, de recurso em recurso, chegar à condenação do Estado português no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, quem paga a indemnização é Batman Carlos Alexandre, o Robin Rosário Teixeira, ou o suspeito do costume, o Superman José Povinho?

 

 

 

 

||| O PEC IV reloaded

por josé simões, em 11.09.15

 

 

 

"vou votar pcp ou bloco e cliquei em passos nesse teste".


Na caixa de comentários do post.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Da série "Coisas Verdadeiramente Surpreendentes"

por josé simões, em 08.09.15

 

paperboy.jpg

 

 

Quando metade esperava que se abstivesse para todo o sempre de exercer o seu direito de votar ou, no mínimo que votasse em branco, e outra metade esperava que viesse a terreiro apoiar um dos partidos do arco do chamamento da troika e que tão arduamente trabalharam para levar Portugal ao bom porto das reformas estruturais para mil anos, do combate ao despesismo do Estado e de retirar o peso do Estado na economia para os amanhãs que cantam com mais justiça e equidade «Sócrates diz estar "ao lado do PS e de António Costa"». Extra! Extra!


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| A direita desesperada e uma criança em estúdio

por josé simões, em 05.09.15

 

Chris Steele-Perkins.jpg

 

 

"Eu achava o máximo José Sócrates dar a entrevista na véspera do debate"


Marques Mendes que nem no dia do seu aniversário abdicou de ir à SIC receber a avença que a vidinha custa a todos.


Quando a direita vier com a conversa da treta da família e da importância da família e o coise lembrem-se do homem que já foi líder do PSD e candidato a primeiro-ministro no dia de anos a jantar em família no estúdio de uma televisão à frente das câmaras, unido no verdadeiro nucl€o c€ntral da soci€dad€.


[Imagem Chris Steele-Perkins]

 

 

 

 

||| Wishful thinking

por josé simões, em 05.09.15

 

invisible_man.JPG

 

 

«Marcelo diz que campanha de Costa "está nas mãos" de Sócrates»


[Imagem]

 

 

 

 

||| Seria cómico se não fosse trágico

por josé simões, em 11.06.15

 

 

 

A justiça trabalhou árdua e afincadamente para se colocar na posição em que se encontra aos olhos dos cidadãos, o descrédito total e onde o respeito devido aos juízes e aos tribunais foi gradualmente substituído pelo medo. Ninguém tem respeito a ninguém, a nenhum tipo de autoridade, não só aos juízes e aos tribunais, mas também. As pessoas têm medo, o que é substancialmente diferente e muito muito muito salazarento, 41 anos depois do dia da liberdade. E continua meticulosamente, com denodo, na tarefa a que se propôs. Seria cómico se não fosse trágico. «Ministério Público abre inquérito à publicação de interrogatório de Sócrates».