Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Um passo atrás para dar dois à frente

por josé simões, em 18.06.17

 

Miguel Marquez.jpg

 

 

Que a Fitch baixou o outlook depois da entrada em funções do Governo da 'Geringonça', por socialistas condicionados na acção governativa por estalinistas e trotskistas, os mercados, os investidores, o drama, a tragédia, o horror, deduz-se. Não, não perdemos um ano, demos um necessário passo atrás para dar dois à frente na desmontagem da TINA - There Is No Alternative, e é isto que dói a Pedro Passos Coelho à direita radical, a desmontagem de toda uma narrativa para o empobrecimento do país e para a transferência de riqueza do trabalho para o capital durante os quase 5 anos em que foi primeiro-ministro.

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Quatro anos de miséria depois

por josé simões, em 28.01.16

 

balão.jpg

 

 

Quatro anos passados de Governo PSD/ CDS a cortar em salários e pensões e nas funções sociais do Estado, quatro anos de encerramentos e falências de empresas, de despedimentos e desemprego e emigração, quatro anos depois de Carlos Moedas ter jurado a pés juntos que 'os-juros-vão-baixar-e-o-rating-da-Nação-vai-subir-quando-o-PSD-chegar-ao-Governo' vem a Fitch dizer que "só melhora rating quando vir empenho de Portugal". Quatro anos perdidos a marcar passo na miséria.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

||| Portanto, não vai ser a agit-prop do Governo a desmentir a agit-prop do Governo, ou vai?

por josé simões, em 19.08.14

 

 

 

 

Diz que a «agência de notação financeira Fitch entende que a recente decisão do Tribunal Constitucional (TC) não compromete as metas orçamentais para este ano (o objectivo é chegar ao final de 2014 com um défice de 4% do PIB), mas "limita" a flexibilidade orçamental no futuro».

 

E também diz que «contudo, alerta que a decisão de declarar inconstitucionais os cortes salariais em 2016 e em 2018 "limita a flexibilidade orçamental no futuro, embora a redução da dívida dependa, em parte, da capacidade de Portugal manter o seu regresso ao crescimento económico"».

 

E ainda diz mais, diz que «a decisão do TC, […], "reforça a nova visão de que Portugal vai atingir a sua meta orçamental de um défice de 4% do PIB, abaixo dos 4,5% no ano passado"».

 

Portanto não vai ser a agit-prop do Governo a desmentir a agit-prop do Governo [que isto tudo está tudo muito bem, o país está melhor, as pessoas, coitadas, é que têm de aguentar mais um bocado até começarem a ver o dinheiro a sobrar na carteira, a economia abriu-se, as reformas estruturais, blah-blah-blah, o desemprego está a diminuir e a economia a crescer], ou vai?

 

 

 

 

 

|| Inúteis por inúteis…

por josé simões, em 11.07.11

 

 

 

E depois do desmantelamento das agências de rating podíamos passar ao desmantelamento da Comissão Europeia.

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

 

 

 

 

|| Recorrendo à expressão da moda: mudança de paradigma

por josé simões, em 01.04.11

 

 

 

 

 

O cão de Pavlov ou a reacção de quem está mal habituado a escrutinar e a não ser escrutinado, a mal avaliar e a não ser avaliado, a exigir responsabilidade e a passar pelos intervalos da chuva.

 

«As agências estão preocupadas com estas propostas de Bruxelas, receando ficar expostas a pedidos de reembolso de crédito por parte de milhares de detentores de obrigações soberanas»

 

Ainda sou do tempo em que se ensinava na escola que o poder económico se submetia ao poder político.

 

(Imagem de autor desconhecido)

 

(Notícia via)