Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Imprensa falsa

por josé simões, em 19.05.17

 

fake-news-essay.jpeg

 

 

Os irmãos Salvador e Luísa Sobral estiveram esta sexta-feira no Parlamento, onde assistiram a um voto de saudação pela vitória no Festival da Eurovisão, no passado fim-de-semana

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

Não aprendemos nada

por josé simões, em 16.05.17

 

Tomkins-Gold-Toilet.jpg

 

 

Veio o Salvador Sobral e disse que a música não é fogo de artifício. E vieram logo os músicos e os críticos todos analisar a simplicidade da música quase minimal ignorando que o rapaz cantou uma versão jazzy de um tema jazz, adiante. E acrescentaram todos os outros de plantão às televisões e aos jornais para estas ocasiões, e para as outras que não têm nada a ver com estas, o despojamento do personagem, numa ilha em forma de palco, sem ter ido à cabeleireira e à manicura e com uma roupa sem grife, se calhar do comércio justo, e sem o barulho das luzes e das máquinas de fazer fumos. Prontes, aqui estava o segredo, o 4.º segredo da Eurovisão, as pessoas estavam  estão fartas de rococós, se calhar educadas pela austeridade que varre a Europa de uma ponta à outra, vamos voltar, todos, outra vez ao estilo românico, schnell,schnell.

 

E depois, ainda alguns andavam nisto do minimalismo e do despojamento e já outros avançavam com um número de 30 milhões. Não aprendemos nada, pois não?

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

O Salvador do jazz

por josé simões, em 14.05.17

 

Jazz+Piano.jpg

 

 

Foi sempre uma das minhas "guerras" nos anos como dj, primeiro no eixo Viena-Berlim, com a Vienna Scientists e com a Mojo Club - séries Remix e Dance Floor Jazz, depois lá mais para a frente com o minimal e o techno, e tinha de levar com os pseudo eruditos do jazz em cima, às vezes até quando vinham ao bar ou discoteca fazer a primeira parte, até à meia noite, que depois dessa hora não há jazz que resista às necessidades da caixa registadora, e que do alto do seu estatuto de músico de jazz, desprezavam e olhavam por cima do ombro para o dj, esse ignorante que só trabalha com discos e ganha bués por isso, que o people das discotecas e da música de dança é mais próximo do jazz que do rock ou r&b ou de outro estilo qualquer de música, porque nas origens, nos primórdios o jazz era isso mesmo, dança e divertimento e só depois é que apareceram os intelectuais a, literalmente, foder tudo e a afastar o jazz das pessoas, e a afastarem-se das suas origens e da sua base de apoio.

 

Tenho andado a remoer isto desde o primeiro dia em que vi o Salvador Sobral, com aquele ar de abécula, a interpretar um tema de jazz, não confundir com Sade Adu e "quite storm" e afins, e que como tema de jazz que é nunca o interpreta/ interpretou da mesma maneira, mesmo que o cante duas vezes seguidas. Se calhar as pessoas gostam todas de jazz, não sabem é que gostam.

 

[Imagem]

 

Post dedicado ao Bossito

 

 

 

 

||| O dia seguinte por quem o festival Eurovisão não diz nada a não ser para coleccionar singles em vinyl a 50 cêntimos de euro na Feira da Ladra

por josé simões, em 11.05.14

 

 

 

O David Jones de Hunky  Dory era muito mais sexy que a Conchita Wurst e os Fleetwood Mac com a Stevie Nicks faziam a coisa muito mais feita e genuína que os holandeses Common Linnets.

 

Assobios também havia, nos festivais de Verão, contra o imperialismo ianque e no nukes. Já ninguém inventa nada.

 

 

 

 

 

 

||| Entretanto em Kiev…

por josé simões, em 11.02.14

 

 

 

 

 

 

 

 

[Aqui]

 

 

 

 

 

 

|| Eurovisão

por josé simões, em 26.05.12

 

 

|| Soutenons la jeunesse portugaise en crise: votons pour le Portugal à l'Eurovision 2011!

por josé simões, em 20.04.11