Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O eucalipto bom

por josé simões, em 02.11.17

 

 

 

Desde a entrada em vigor do Regime Jurídico das Acções de Arborização e Rearborização — a que os críticos chamam a “lei que liberaliza a plantação de eucaliptos” —, em Outubro de 2013, a área ocupada por esta espécie exótica em Portugal registou um aumento próximo da superfície da cidade de Lisboa: quase 10 mil hectares.

 

Na gestão de Passos Coelho autorizaram-se 43% de novas plantações enquanto o Governo de António Costa é responsável pelos restantes 57%.

 

[Imagem]

 

 

 

 

"Não faz sentido estar a demonizar o eucalipto"

por josé simões, em 29.06.17

 

Sem Título.png

 

 

O problema do eucalipto é o minifúndio, principalmente, e por razões históricas, aprendia-se dantes na escola, a norte do rio Mondego. E depois meteram na cabeça das pessoas que podiam ficar ricas à conta do "petróleo verde", era só plantar, esperar que crescesse, chamar o lenhador e meter o dinheiro ao bolso. E agora temos um problema. Um problema de florestas cerradas em guarda de honra a estradas nacionais e municipais. Tão cerradas que nem os comandos lá conseguem entrar. Tão cerradas que eram bem capazes de servir como cenário a uma remake de Apocalipse Now. Portanto, e mais uma vez e outra vez e as vezes que forem necessárias, Pedro Passos Coelho é desonesto, não é defeito é feitio, quando diz que a floresta de eucalipto é a que arde menos e aquela onde o fogo se apaga com maior facilidade, a menos que ideia seja entregar todo o território nacional às celuloses, processo interrompido com a saída de Assunção Cristas do ministério da Agricultura e de Pires de Lima do ministério da Economia.

 

Entre o diabolizar o FMI, o Diabo que vem e o demónio no eucalipto, lá vai ele cantando e rindo.

 

[Na imagem um troço da EM 621 entre Vale de Cambra e o alto da Serra da Freita]

 

 

 

 

Descubra as diferenças

por josé simões, em 28.06.17

 

 

 

Queremos ter mais metros cúbicos de eucalipto mas na mesma área

 

Não haverá mais um único hectare de eucalipto em Portugal

 

 

 

 

Porquê?

por josé simões, em 19.06.17

 

publico.jpg

 

 

Porque é que andamos há décadas a massificar a floresta de eucalipto - o "ouro verde" como alguém um dia teve o desplante de a baptizar, destruindo a Reserva Ecológica Nacional, reduzindo a Reserva Agrícola Nacional - património natural e ambiental comum, fomentando a desertificação e os desequilíbrios ecológicos em nome do crescimento económico e da criação de riqueza? Para quem e para quantos?

 

Porque é que andamos há décadas a apostar e promover a indústria das celuloses - que se alimenta da massificação do eucalipto, em nome da criação de emprego - quantos, alguém já se dedicou a esta contabilidade? Em nome da criação de riqueza - Para quem e para quantos, alguém já efectuou este balanço? Em nome do crescimento económico - compensa ao Estado o investimento do dinheiro dos impostos dos contribuintes na indústria dos incêndios para garantir recheadas as contas bancárias dos accionistas e patrões das celuloses e dos industriais do eucalipto? Compensa em vidas humanas perdidas e famílias destruídas?

 

Porquê?

 

 

 

 

||| Palavras para quê? É um industrial português e só usa parlapiet manhoso

por josé simões, em 08.09.15

 

business.png

 

 

A liberalização do eucalipto levada a cabo pelo CDS, pelas mãos de Assunção Cristas em parceira com Pires de Lima, não foi suficiente [7 posts para recapitular, aqui]. Nunca seria suficiente porque a voragem depredadora dos recursos naturais comuns não tem limites. E limites tem o território nacional, que já não é do Minho a Timor. Limites tem o território nacional mesmo valendo tudo, por cima de toda a folha, persistente ou caduca. Mas é mais forte do que ele e lá teve de mandar umas bocas para se armar ao pingarelho. Não foi para Moçambique porque nos territórios ultramarinos encontra a dimensão territorial que lhe falta na Metrópole. Não. Não foi para Moçambique porque, malgrado a desvalorização do factor trabalho levada a cabo pelo Governo que não tem um modelo de baixos salários para o país, nos territórios ultramarinos a mão-de-obre continua a ser muito mais barata e por consequência a mais-valia muito maior. Não foi para Moçambique porque, malgrado a revisão do Código do Trabalho, levada a cabo pelo Governo PSD/ CDS com o aval da UGT, as leis laborais nos territórios ultramarinos são praticamente inexistentes assim como inexistente é o movimento sindical. Não foi para Moçambique porque "existe uma grande apetência por celulose na Índia e noutros mercados asiáticos", mesmo ali ao lado, diminuindo com isto os custos com os transportes. Não. Foi para Moçambique porque foi empurrado para fora de Portugal pelas preocupações ambientalistas e de ordenamento do território. Deixou de investir em Portugal se bem que nunca ninguém tenha feito o deve e o haver das promessas de investimento, do investimento efectivamente concretizado, dos postos de trabalho, directos ou indirectos, criados, comparativamente com as mais-valias arrecadadas, isenções fiscais incluídas.


Palavras para quê? É um industrial português e só usa parlapiet manhoso.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Diz que é da seca extrema

por josé simões, em 11.08.15

 

tinta da china.jpg

 

 

Assunção Cristas liberalizou o eucalipto, por cima de toda a folha, caduca e persistente. Pires de Lima trouxe a mais-valia para as celuloses, que da criação de emprego ninguém deu por ele. O país está a arder, mais do que é costume. Diz que é da seca extrema. Obrigado CDS.


[Imagem]

 

 

 

 

||| O modelo de desenvolvimento económico do “por cima de toda a folha”, caduca ou persistente

por josé simões, em 19.05.15

 

fuck.jpg

 

 

De uma coisa ninguém pode acusar o CDS, que é a de não ter um modelo de "desenvolvimento" económico para o país. Ou quando Pires 'soldado disciplinado' de Lima, pelo S. Martinho de 2013, anunciou no Parlamento investimentos na ordem dos 150 milhões de euros, 120 milhões pela Portucel e 26 milhões pela AMS Goma Camps, pensavam que os castanheiros iam ficar en su sitio, a dar castanhas para acompanhar a água-pé, e que os eucaliptos vinham por mar, importados em porões de navios, ou que, pelo contrário, se iria liberalizar a plantação do eucalipto e assistir à eucaliptização do país, do Minho ao Algarve?


O ambiente, a biodiversidade e o ordenamento do território têm de ficar para depois que a prioridade é fomentar a desertificação do terrirtório e desertificação humana e aumentar a mais-valia aos accionistas é tirar o país da crise e criar emprego. Os incêndios ficam por conta do Orçamento do Estado que por sua vez fica por conta do bolso do contribuinte.


Adenda: Há dados relativos ao emprego criado pelo investimento de 150 milhões de euros por parte das empresas de celulose? Há dados sobre qual a percentagem da riqueza criada por esse investimento de 150 milhões de euros que foi aplicada novamente na economia e sobre qual a percentagem que foi distribuída pelos accionistas?


[Imagem]

 

 

 

 

||| O campeão olímpico de contorcionismo no seu melhor

por josé simões, em 12.05.14

 

 

 

O CDS, perdão, a ministra da agricultura Assunção Cristas, liberaliza o eucalipto, o CDS, perdão, o ministro da Economia, Pires de Lima, anuncia a "viragem económica" e a "captação de investimento", o CDS, perdão, o vice-primeiro-ministro, chama os jornais e as televisões para, sem aquele sorriso cínico de superioridade iluminada com que costuma pontuar as frase marteladas em modo Twitter, anunciar pela segunda vez em menos de um ano o mesmo investimento. A desertificação e o desordenamento do território, o envenenamento das albufeiras, a destruição da fauna, da flora e do ecossistema, o combate aos incêndios, as economias familiares e as vidas humanas destruídas ficam a cargo do erário público. Aumentem-se os impostos e reforce-se a rubrica do ministério para o combate aos incêndios..

 

«Os outros onze investimentos, ligados a dois institutos públicos, a AICEP e o IAPMEI, são reforços de  negócios já existentes. Entre eles está o da Portucel, que já tinha sido anunciado pelo Governo em Novembro de 2013»

 

[Imagem de Vittorio Ciccarelli]

 

 

 

 

 

 

||| As continhas estão mal feitas

por josé simões, em 08.05.14

 

 

 

"Incêndios de 2013 custaram 34,2 milhões de euros"

 

As continhas estão mal feitas. Primeiro porque afectou sobretudo agricultura em minifúndio com as suas manias das explorações sustentadas e ecologicamente equilibradas e que só atrapalham a vida aos grandes produtores de exploração intensiva, ainda por cima propriedade de velhos, que só 'strovam a vida aos novos que querem fazer alguma coisa por este país, cujos filhos emigraram para França e para a Alemanha, os manhosos e calaceiros.

 

Segundo porque afectou principalmente floresta propriedade do Estado e o Estado, como é por todos sabido, não tem jeito para gerir nada e nem tem jeito nem trambelho que seja proprietário de florestas e de serras e de rios, que ficam muito mais bem explorados e preservados e rentabilizados nas mãos dos privados.

 

Terceiro porque o CDS, perdão, a ministra Assunção Cristas e o secretário de Estado Daniel Campelo melhor do que ninguém identificaram os problemas assinalados nos dois pontos anteriores e trataram de meter mãos à obra e de resolver o assunto, como o Daniel muito bem explica.

 

Quarto porque o CDS, perdão, o ministro Pires de Lima já veio assinar por baixo a estratégia do CDS, perdão, da ministra Cristas e do secretário de Estado Campelo e mostrar, até aos mais incréus, que a aposta foi mesmo em cheio.

 

Portanto, quando se diz e se escreve que os "Incêndios de 2013 custaram 34,2 milhões de euros" as continhas estão mal feitas porque há muito boa gente a ganhar rios de dinheiro, mesmo que implique secar os rios, e a pôr a economia privada a crescer, mesmo que isso implique matar biodiversidade e o ecossistema público e vidas humanas. Pormenores.

 

[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

 

 

||| Quando o lobby não é lobby mas Governo

por josé simões, em 25.01.14

 

 

 

As chamas vão continuar a consumir hectares de floresta; o combate às chamas vai continuar a sair do bolso dos contribuintes, para gáudio dis combatentes privados e luto dos combatentes públicos; o combate à desertificação do território, num futuro próximo, também vai sair do bolso do suspeito do costume – o contribuinte; as vidas humanas e a miséria do dia seguinte ficam a cargo dos mesmos de sempre – os que já pagam o combate às chamas e vão pagar a guerra contra a desertificação do território; a biodiversidade fica por conta dos contribuintes das gerações futuras [onde é que eu já ouvi isto?]; as televisões vão ganhar shares de audiência, assim que mudarmos para a hora de Verão, com directos do local do crime e bate-papos da treta com especialistas da tanga; o lucro, esse, já se sabe para quem fica, porque o crime compensa e está consagrado em papel de Lei e tudo. É toda uma indústria à roda do património natural, comum a milhões para benefício de algumas dezenas.

 

«Eucaliptos dominam pedidos ao abrigo da nova lei de arborização»

 

[Imagem]

 

Adenda: A ministra do CDS já tinha avisado o que o ministro do CDS posteriormente confirmou. Neste momento o verdadeiro lobby é fazer pressão sobre o Governo do lobby.

 

 

 

 

 

 

||| O "petróleo verde", reloaded

por josé simões, em 12.11.13

 

 

 

A ministra da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território [uff!] já tinha avisado quando, em Novembro de 2012 numa entrevista ao Expresso, deixou cair que a Reserva Ecológica Nacional ia desaparecer. Passou ao lado de toda a gente, só se ouviram os protestos das organizações ambientalistas. Talvez agora percebam o que está em causa. Portucel, Caima, Celbi, Goma Camps [mais?], os descendentes dos "anos áureos" do cavaquismo, aconselhados e assessorados pela tralha cavaquista que, mais ou menos envergonhada, continua a andar por aí nos intervalos da chuva BPN/ BPI, apostam na captação de investimento e criação de emprego [?], a "viragem económica", sacrificando o ambiente, a biodiversidade e o ordenamento do território, fomentando a desertificação, e a desertificação humana, do território. Depois, lá para os Verões que hão-de vir, falamos de incêndios e de vidas humanas e de muito choro, em directo nas televisões, e haja dinheiro do contribuinte, dos baixos salários do contribuinte, para o combate às chamas, que as mais-valias do "investimento" ficam no bolso dos accionistas.

 

 

 

 

 

 

|| Os PIN [Projectos de Potencial Interesse Nacional], reloaded

por josé simões, em 15.05.12

 

 

 

«o governo teria, muito provavelmente, de levantar algumas limitações que existem em termos ambientais». Coisa de somenos, o ambiente e o ordenamento do território e a herança que deixamos às gerações futuras, que é só contabilizada em termos de dívida pública.

 

[Imagem]