Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

O Verdadeiro Artista

por josé simões, em 12.02.18

 

clown.jpg

 

 

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa está a estudar a hipótese de processar o Estado por ter incentivado soluções como a taxa de protecção civil, entretanto declarada inconstitucional

 

[Imagem]

 

 

 

 

Tirar uma cartola do contribuinte

por josé simões, em 26.12.17

 

capa_jornal_i_26_12_2017.jpg

 

 

Não há "Taxa da Protecção Civil" mas há "Taxa Turística" e cartolas à fartazana tiradas do bolso do contribuinte num espectáculo abrilhantado por uma estrela [de]cadente pop depois de se vir queixar para o Facebook do dinheiro que não lhe chega para pagar a net que lhe permite passar os dias a queixar-se no Facebook e cujo último trabalho discográfico gravado foi uma remake em 2014 de temas dos anos 80. Diz que o Fernando Tordo foi para o Brasil mas que o contribuinte continua em Lisboa.

 

[Na imagem a primeira página do jornal i]

 

 

 

 

Também era só o que faltava

por josé simões, em 30.03.17

 

 

Prometo mais assiduidade como presidente da Câmara

 

Teresa Leal Coelho, candidata pelo PSD à Câmara Municipal de Lisboa, em entrevista ao diário Observador, transmitida via Twitter.

 

[Clara Bow na imagem]

 

 

 

 

 

...

por josé simões, em 24.03.17

 

 

 

Serei, dentro de alguns meses, presidente da Câmara de Lisboa

 

 

 

 

"Eu Não Fico"

por josé simões, em 06.01.17

 

cristas.jpg

 

 

Se eu ganhar Lisboa, o candidato do CDS a primeiro-ministro será outra pessoa


[Imagem]

 

 

 

 

Para bom entendedor

por josé simões, em 15.12.16

 

morte_.jpg

 

 

Dirigentes do PSD apelam a Passos para candidatar-se à Câmara de Lisboa


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

"E os símbolos estão datados e até podem ser ofensivos"

por josé simões, em 20.07.16

 

stalin eraser.jpg

 

Não estamos a apagar nada, nem a recuperação da memória significa a recuperação de determinada simbologia.

 

Guardar

||| Outros arquitectos de regime

por josé simões, em 23.06.15

 

Albert_Speer.jpg

 

 

[Imagem]

 

 

 

 

||| Grandes títulos do Correio da Manha

por josé simões, em 06.04.15

 

 

 

«O filho de comunistas que vai mandar na maior Câmara do país». Há 40 anos a fazer opinião, liberdade para pensar e o coise.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Ricos e mal-agradecidos

por josé simões, em 11.12.14

 

mario soares.jpg

 

 

O "radicalismo político" de Mário Soares que os salvou durante o PREC quando já havia destinada a cada militante do partido uma árvore com uma corda pendurada com o respectivo nome escrito.


O "radicalismo político" de Mário Soares que lhes deu pela primeira vez acesso ao poder no II Governo Constitucional para desde então passarem a contar para a "marcha do balão e do arquinho da governação" e do "sentido de Estado".


Ricos e mal-agradecidos e sem terem onde cair mortos.


«"Radicalismo político" de Mário Soares leva CDS a opor-se à entrega da Chave da Cidade»


[Imagem]

 

 

 

 

||| É possível retirar a A Quadratura do Círculo de António Costa?

por josé simões, em 12.11.14

 

antónio costa quadratura do círculo.jpg

 

 

O líder do maior partido da oposição e candidato ao cargo de primeiro-ministro a responder a um vice-não-sei-quantos de passear botões de punho de aeroporto em aeroporto, com mestrado em actividades circenses, especialista em ballet, ginástica acrobática e saltos para a piscina, em mais um número, estudadíssimo, de prestidigitação, para a ressurreição do "partido do contribuinte" e depois do pantomineiro que chefia o Governo ter-se feito de desinteressado e chutado a bola para o lado - "uma matéria que diz respeito ao município de Lisboa"?

O Partido Socialista desaprendeu, perdeu a noção das hierarquias, das prioridades, dos "alvos a abater", cada macaco no seu galho - como a direita gosta, e se calhar convém tratar a direita como a direita gosta de tratar, ou continuamos com o calculismo da política da porta entreaberta com medo de maiorias absolutas inatingíveis, mesmo que o adversário não tenha um mínimo de credibilidade e honorabilidade?

 

 

 

 

||| Physalia physalis [*]

por josé simões, em 11.11.14

 

 

 

A seguir a Cavaco Silva é o político há mais tempo no activo em Portugal, mesmo sem contar com os anos em que, disfarçado de jornalista, fazia política todas as semanas na primeira página de um semanário contra... Cavaco Silva. De cada vez que foi para o Governo foi sempre para fazer exactamente o oposto daquilo que havia prometido em campanha eleitoral. De todas as vezes que saiu do Governo deixou sempre o país sempre pior do que no dia em que entrou. E nunca se cala e nunca se cala e nunca se cala. Não ter cara para não ter a puta da vergonha na cara é isto.


[Imagem]


[*] Physalia physalis

 

 

 

 

||| Eu que nasci em Setúbal, moro em Setúbal, trabalho em Setúbal e voto em Setúbal

por josé simões, em 14.10.14

 

fuck you umbrella.jpg

 

 

Não deixo de me maravilhar com as críticas ao presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, por causa da maré cheia no Tejo, da parte daqueles que deram sucessivas maiorias a Nuno Abecasis. Só lhes falta acrescentar um "o arquitecto Ribeiro Telles é que tinha razão" para a filha da putice ser ainda maior.


[Imagem]

 

 

 

 

||| Coisas Verdadeiramente Estúpidas

por josé simões, em 27.08.14

 

 

 

Acabamos com os brasões na Praça do Império, limpamos o passado, purificamos a nossa história e não se fala mais nisso. O colonialismo nunca existiu e a prova disso é que nem há brasões das ex-colónias na Praça do Império. A seguir a câmara de Lisboa muda o nome da Praça do Império para "Praça do Futuro Radioso No País Sem Passado" porque "Praça dos PALOP", apesar de ser muito bonito e muito in, é um topónimo à partida excluído pelos engulhos que a Guiné-Equatorial causa à "esquerda" revisionista moderna e prá frentex, que pactuou com Hosni Mubarak e Ben Ali na Internacional Socialista, e que ainda tem muito trabalhinho pela frente, a começar logo por ali - Torre de Belém, Padrão dos Descobrimentos,  na [re]construção de um país inócuo, incolor e indolor, expurgado de todas as memórias que não cabem nos cânones do homem novo no país novo. Não se vê, não se lê, não se fala nisso, não existiu.

 

É uma chatice a cleptocracia angolana vir às compras a Lisboa, com os kuanzas esbulhados ao seu próprio povo, e dar de caras com os brasões das ex-colónias numa Praça de um Império. Não vamos chatear a máfia de José Eduardo e Isabel dos Santos com minudências da História de Portugal que o dinheirinho faz falta ao comércio da Avenida da Liberdade, sem a calçada portuguesa por causa dos stilettos heel das damas, e ainda há a Sonangol e os editoriais do Jornal de Angola e o MPLA na Internacional Socialista.

 

“Respondeu-me que os brasões são sinais do colonialismo e que não contasse com ele para tratar daquilo”

 

"Câmara de Lisboa vai acabar com brasões das ex-colónias no jardim da Praça do Império"

 

A câmara de Lagos, no Algarve, é que já derrubava de vez o Mercado dos Escravos. E aquela estátua do Infante D. Henrique também não está ali a fazer nada.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

||| Substitua-se por uma placa com o despacho assinado por Cavaco Silva em 1992

por josé simões, em 02.04.14

 

 

 

Decreto-Lei n.º 404/82, "por serviços excepcionais ou relevantes prestados ao País", e logo por baixo os nomes dos "patriotas" Abílio Pires e Óscar Cardoso [na imagem].

 

«Câmara de Lisboa apresentou queixa pelo roubo de placa da antiga sede da PIDE»