Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder"

por josé simões, em 12.09.17

 

Federico Fellini on the set of Satyricon, phorographed by Mary Ellen Mark, 1969.jpg

 

 

Tão distraído entretido que deixei passar o aniversário do blogue. 8 de Setembro de 2006 - 8 de Setembro de 2017, já lá vão 11 anos. Obrigado a todos.

 

[Imagem "Federico Fellini on the set of Satyricon" phorographed by Mary Ellen Mark, 1969]

 

 

 

 

8 de Setembro de 2006 – 8 de setembro de 2016

por josé simões, em 08.09.16

 

wtf.jpg

 

 

Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder


10 anos. Obrigado a todos.


[Imagem de autor desconhecido]

 

 

 

 

Guardar

Guardar

||| Da série "Grandes Primeiras Páginas"

por josé simões, em 21.10.15

 

USA-Today-October-22-2015.png

 

 

A primeira página do USA Today, aqui.

 

 

 

 

||| 8 de Setembro de 2006 – 8 de Setembro de 2015

por josé simões, em 08.09.15

 

Barcelona, 19 July 1936. Agustí Centelles. Nation

 

 

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder". 9 anos. Obrigado a tod@s.


[Imagem "Barcelona, 19 July 1936. Agustí Centelles. National Art Museum of Catalonia, Barcelona © MNAC - Museu Nacional d'Art de Catalunya"]

 

 

 

 

||| 6 anos

por josé simões, em 12.01.15

 

vintage-twitter-logo-poster.jpg

 

Jan. 2009 – Jan. 2015. Tweets: 133 k. Followers: 5, 890. Follow me.


[Imagem]

 

 

 

||| A diferença

por josé simões, em 07.12.14

 

publico.jpg

 

 

A diferença entre Mário Soares e Cavaco Silva é que Mários Soares já não sendo Presidente é o “senhor Presidente” e Cavaco Silva é Cavaco Silva, quando não só “o Cavaco”, a quem ninguém se levanta à chegada nem tira o chapéu à passagem.

 

 

 

 

||| 8 de Setembro de 2006 – 8 de Setembro de 2014

por josé simões, em 08.09.14

 

 

 

||| O poder das marcas

por josé simões, em 13.02.14

 

 

 

O princípio é sempre o mesmo. Não há dinheiro para a educação? As escolas e as universidades que façam parcerias com "as marcas". Mão há dinheiro para a saúde? Os hospitais que façam parcerias com "as marcas". Não há dinheiro para a investigação? Façam parcerias com "as marcas". E depois, com "as marcas" dentro do campus, dentro dos hospitais, dentro dos centros de investigação, se "as marcas" quiserem ditar as políticas educativas, as políticas de saúde, o que deve ou não deve ser investigado, isso é lá com "as marcas", assim como é de "as marcas" o dinheiro que financia e patrocina as escolas, as universidades, os hospitais, os centros de investigação, já que ao Estado, pela ausência, cabe a função de facilitador de negócios, às "as marcas".

 

Que a senhora presidente da Assembleia da República queira estender estes mui liberais princípios a um órgão de soberania, eleito pelo voto popular, não devia estranhar a ninguém, afinal é só mais um personagem da tralha cavaquista, saída das listas dos liberais que são social-democratas/ dos social-democratas que são liberais [riscar o que não interessar], com a reforma patrocinada pela marca "Contribuinte" e a tentar fazer com a casa da democracia o que o Governo, suportado pela bancada parlamentar de onde saiu, faz com o país.

 

«A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, colocou em cima da mesa a hipótese de recorrer ao mecenato (patrocínio) para suportar os custos financeiros de algumas iniciativas para assinalar o próximo 25 de Abril.»

 

 

 

 

 

 

||| Jornal de parede

por josé simões, em 10.01.14

 

 

 

117 mil afixações, 4876 leitores. 5 anos no Twitter de jornal de parede, hoje.

 

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

 

 

 

 

 

 

||| E se…

por josé simões, em 26.12.13

 

 

 

Na Alexanderplatz ou na  Potsdamer Platz em Berlim existisse uma foto gigantesca de Adolf Hitler, e se todos os governantes e chefes de Estado de visita à Alemanha tivessem de passar pelo ritual de depositar uma coroa de flores no mausoléu do Führer a respeito da realpolitik e da pujança económica da Alemanha?

 

Celebremos pois os 120 anos do nascimento do maior genocída da história, com discípulos, directos e indirectos, espalhados por tudo o que é lugar de decisão e função governativa, na Europa do séc. XXI, mui liberal e seguidora das regras do mercado:

 

«Os admiradores de Mao Tsetung celebraram esta quinta-feira o 120º aniversário do seu nascimento»

 

[Na imagem "Security cameras flank the giant portrait of Mao Zedong in Tiananmen Square" by David Gray/ Reuters]

 

 

 

 

 

 

|| 8 de Setembro de 2006 – 8 de Setembro de 2013

por josé simões, em 08.09.13

 

 

|| 4 anos depois

por josé simões, em 10.01.13

 

 

 

94 000 updates, mais de 3 500 followers e, acima de tudo, uma enorme rede de cumplicidades e amizades.

 

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder". Follow me.

 

[Imagem]

 

 

 

 

 

 

|| "Podem ainda não estar a ver as coisas à superfície mas por baixo já está tudo a arder"

por josé simões, em 09.09.12

 

 

|| 25 de Janeiro de 1942

por josé simões, em 25.01.12

 

 

 

 

 

 

 

|| Seis mil cento e oitenta e quatro posts depois

por josé simões, em 08.09.11

 

 

5 anos

 

 

Obrigado a todos os que aqui vêm, à equipa em geral e à Jonas em particular.