Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

DER TERRORIST

"Podem ainda não estar a ver as coisas à superficie, mas por baixo já está tudo a arder" - Y. B. Mangunwijaya, escritor indonésio, 16 de Julho de 1998.

Camaradas, a hora é de luta!

por josé simões, em 07.09.17

 

PPD (1).jpg

 

 

Vejamos a diferença de tratamento quando um dirigente sindical, um elemento de uma comissão de trabalhadores, até mesmo um dirigente de uma qualquer colectividade anónima, aparece no foco mediático, a reivindicar, qualquer coisa, por mais banal que seja. A dissecação da sua vida feita pela comunicação social, mesmo para além das funções que temporariamente o projectaram para as rádios e televisões, até inevitável e invariavelmente chegarmos todos ao PCP. É militante do PCP. Se não é militante é pelo menos simpatizante com o cartão de militante escondido na gaveta da mesa de cabeceira. Um irresponsável. Um agitador. Um desestabilizador. Um destruidor de riqueza. Pior que isso, é comunista. Comuna. É pior que ter lepra. Tudo o resto ficou para trás, já não interessa nada, da justeza e legitimidade da reivindicação. Faz tudo parte de um plano. Uma conjura. É comuna. Ponto final.

 

Vejamos a diferença de tratamento para uma militante do PSD, do Conselho Nacional do PSD, não é uma qualquer borra-botas. E foi eleita nas listas de Passos Coelho. É a bastonária da Ordem dos Enfermeiros. Só. Ponto final.